Recurso do Ministério Público acusa Ivo Rosa de distorcer Operação Marquês

Procuradores criticam “a ineptidão da pronúncia” do juiz e pedem a sua nulidade. Advogada de Carlos Santos Silva diz que não consegue ler 96 folhas por hora para cumprir prazo imposto pelo magistrado.

Foto
Mário Cfruz/Lusa

O que parecia ser um cenário impossível sucedeu: na Operação Marquês o juiz de instrução criminal Ivo Rosa conseguiu colocar do mesmo lado da barricada o arguido Carlos Santos Silva e o Ministério Público. Ambos qualificam como absurda a versão dos factos que remeteu para julgamento no despacho instrutório que proferiu a 9 de Abril passado, e que transforma o empresário amigo do ex-primeiro ministro José Sócrates em seu corruptor activo.