Um tinto do Dão a precisar de tempo para mostrar como é mesmo bom

Nesta fase é sensorialmente impressionante, mas também ainda demasiado marcado pela barrica, embora esta não se consiga sobrepor à impressionante intensidade das nuances frutadas e florais. 90 pontos (em 100).

Foto

Todo o bom vinho, sobretudo o que estagia em barrica, ainda mais se for nova, precisa de tempo. Pode apreciar-se com prazer ainda jovem, mas ainda não será nítida a sua verdadeira essência e qualidade. A jovialidade inicial pode ser excessiva, tal como certas maquilhagens em algumas mulheres. Podem impressionar, só que se vê logo que há algo de excesso e que não espelham a verdade. A verdade surge quando cai a “maquilhagem”. Numa mulher ou num homem, pode bastar uma simples limpeza do rosto. Num vinho, a sua essência pode demorar alguns anos a emergir. Mas emerge sempre. E o que emerge não é a barrica ou qualquer aditivo que se adicione ao vinho. É a natureza das castas e do lugar. É por isso que chega a ser mais fácil adivinhar a origem de um vinho quando ele é mais velho do que quando é novo.

Sugerir correcção
Comentar