Isso era para quando?

No meu tempo, dizer que não se pode não chega. É preciso dizer porquê – e tem de ser uma coisa importante, chata, inadiável, como uma consulta, um exame, um documento sem o qual não dá vontade de viver.

Nem de propósito: tinha eu acabado de dar uma longa explicação para não ir a um jantar quando, mesmo ao meu lado, três amigos falavam. Um deles tinha convidado o outro para uma coisa qualquer e tinha recebido tampa: “No sábado, não posso.”