Peneireiros-das-torres já chamam ninho a Mértola. Falta é o que levar ao bico

Em Mértola existe a única colónia de peneireiros-das-torres a nidificar num casco urbano. A espécie classificada como vulnerável, já foi muito abundante, mas entrou em declínio. Hoje está estável, com um ligeiro aumento do número de casais presentes no país. Na vila alentejana, o desaparecimento dos campos de cereais em torno da povoação é o maior obstáculo à manutenção da colónia

Há nuvens a tornar o dia de calor mais suportável em Mértola, quando Carlos Carrapato, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), se dirige para o edifício do antigo tribunal, bem no coração da vila. Acompanhado de alguns colegas e munido de uma pequena caixa de ferramentas, com anilhas e minúsculos alicates, está pronto para espreitar as caixas-ninho que ali foram colocadas para albergar os peneireiros-das-torres (Falco naumanni). Outrora bastante abundantes, estes pequenos falcões sofreram um forte declínio na segunda da metade do século passado e agora procura-se conservar uma população que ainda não recuperou totalmente, mas que tem mantido alguma estabilidade. Mértola tem a única colónia em Portugal que nidifica no casco urbano e o responsável do ICNF está prestes a descobrir alguns dos seus novos elementos.