Um espaço fora do tempo em Lisboa: a Galeria da Casa A. Molder

Uma loja histórica da Baixa lisboeta, conhecida entre os amantes da filatelia, acomoda agora uma galeria independente onde os artistas podem apresentar obras novas. Adriana Molder é a responsável por este lugar em que se cruzam histórias, imagens e olhares.

jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
A Galeria da Casa A. Molder partilha com a loja que lhe dá nome um terceiro andar na Baixa de Lisboa
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
A histórica loja de filatelia e numismática ganhou uma nova valência não comercial
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
Adriana Molder (à esquerda), neta do fundador da loja e dinamizadora da galeria, e a artista Ana Catarina Fragoso, a segunda convidada a expor no espaço
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
As vitrinas repletas de selos da A. Molder são uma imagem de marca desta loja histórica
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
As vitrinas repletas de selos da A. Molder são uma imagem de marca desta loja histórica
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
Frequentada sobretudo por filatelistas, a A. Molder abre-se agora a um outro público
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
jorge-molder,rui-chafes,arte-contemporanea,artes,culturaipsilon,lisboa,
Fotogaleria
Fundada em 1943 pelo avô de Adriana Molder, a loja de filatelia e numismática sobreviveu até hoje

O som da campainha não acorda do torpor. Na A. Molder – Selos Para Colecção, alojada no terceiro andar do n.º 101 da Rua 1.º de Dezembro, em Lisboa, o visitante parece desembarcar noutro tempo. Isto é, fora deste tempo. Do mobiliário à arquitectura, passando pelos sons, o espaço encena um feitiço, momentâneo. Afinal, o ano continua a ser o de 2021. Lá fora, pelo Rossio, há gente a caminho do trabalho, alguns turistas, todos de máscara.