É seguro misturar vacinas, diz estudo. DGS quer mais informação para decidir

Direcção-Geral da Saúde aguarda os resultados deste e outros estudos em curso para actualizar as recomendações sobre a toma da segunda dose da AstraZeneca.

Foto
Rui Gaudencio

É o primeiro de vários estudos e os resultados ainda são preliminares, mas já dão indicações sobre a segurança da administração de vacinas de marcas diferentes –uma das opções possíveis em Portugal para o meio milhão de pessoas com menos de 60 anos que receberam a primeira da dose da vacina da AstraZeneca.