Fotogaleria

A obra de Julião Sarmento (1948-2021) em imagens

Era o mais internacional dos nomes da arte contemporânea portuguesa, autor de uma obra notável e multiforme.

Julião Sarmento em 2002 no Museu do Chiado em vésperas da inauguração da exposição Trabalhos dos anos 70, com curadoria de Pedro Lapa Miguel Silva
Fotogaleria
Julião Sarmento em 2002 no Museu do Chiado em vésperas da inauguração da exposição Trabalhos dos anos 70, com curadoria de Pedro Lapa Miguel Silva

Era o mais internacional dos artistas portugueses, autor de uma obra extensa e notável que se desdobrou pela pintura, o desenho, os múltiplos, a escultura, o site specific, a fotografia, o filme, o vídeo e a performance. Julião Sarmento fazia parte daquele grupo de artistas raríssimo cujo nome próprio bastava para identificar. Morreu esta terça-feira, aos 72 anos, em Lisboa, confirmou o PÚBLICO junto da sua galerista, Cristina Guerra. Estava doente de cancro há alguns meses.

Julião Sarmento fotografado em 2011 na galeria Cristina Guerra
Julião Sarmento fotografado em 2011 na galeria Cristina Guerra Rui Gaudêncio
Julião Sarmento em Março de 2008 no seu atelier
Julião Sarmento em Março de 2008 no seu atelier Daniel Rocha
Julião Sarmento em 2012 na montagem da sua maior retrospectiva de sempre, <i>Noites Brancas</i>, no Museu de Serralves, com comissariado de João Fernandes e de James Lingwood
Julião Sarmento em 2012 na montagem da sua maior retrospectiva de sempre, Noites Brancas, no Museu de Serralves, com comissariado de João Fernandes e de James Lingwood Fernando Veludo/NFactos
Julião Sarmento e João Fernandes na montagem de <i>Noites Brancas</i>
Julião Sarmento e João Fernandes na montagem de Noites Brancas Fernando Veludo/NFactos
A silhueta de Julião Sarmento reflectida numa das obras incluídas na retrospectiva <i>Noites Brancas</i>
A silhueta de Julião Sarmento reflectida numa das obras incluídas na retrospectiva Noites Brancas Paulo Pimenta
Aspectos da montagem de <i>Noites Brancas</i> no Museu de Serralves
Aspectos da montagem de Noites Brancas no Museu de Serralves Paulo Pimenta
Aspectos da montagem de <i>Noites Brancas</i> no Museu de Serralves
Aspectos da montagem de Noites Brancas no Museu de Serralves Paulo Pimenta
Aspectos da montagem de <i>Noites Brancas</i> no Museu de Serralves
Aspectos da montagem de Noites Brancas no Museu de Serralves Paulo Pimenta
Julião Sarmento junto a uma das obras de <i>Noites Brancas</i>
Julião Sarmento junto a uma das obras de Noites Brancas Fernando Veludo/NFactos
Julião Sarmento em Junho de 2010 na Tate Modern, em Londres, onde apresentou a exposição <i>Monograph Room – Solo Display of Works in the Tate Modern Collection</i>
Julião Sarmento em Junho de 2010 na Tate Modern, em Londres, onde apresentou a exposição Monograph Room – Solo Display of Works in the Tate Modern Collection Rui Gaudêncio,Rui Gaudêncio
Julião Sarmento com Vicente Todolí, um dos comissários de <i>Monograph Room – Solo Display of Works in the Tate Modern Collection</i>
Julião Sarmento com Vicente Todolí, um dos comissários de Monograph Room – Solo Display of Works in the Tate Modern Collection Rui Gaudêncio
Julião Sarmento com Vicente Todolí, um dos comissários de <i>Monograph Room – Solo Display of Works in the Tate Modern Collection</i>
Julião Sarmento com Vicente Todolí, um dos comissários de Monograph Room – Solo Display of Works in the Tate Modern Collection Rui Gaudêncio
Julião Sarmento em 2018, na terceira edição da ARCOlisboa
Julião Sarmento em 2018, na terceira edição da ARCOlisboa Nuno Ferreira Santos
<i>Self-portrait fountain (Fat chance Bruce Nauman)</i>, escultura de Julião Sarmento nos jardins das Águas do Porto, em 2017
Self-portrait fountain (Fat chance Bruce Nauman), escultura de Julião Sarmento nos jardins das Águas do Porto, em 2017 Adriano Miranda
<i>Cat & Nell Crystal-clear</i> (2004-2005), uma das obras da exposição individual de Julião Sarmento no Palácio Nacional de Queluz, em 2005, com comissariado de João Pinharanda
Cat & Nell Crystal-clear (2004-2005), uma das obras da exposição individual de Julião Sarmento no Palácio Nacional de Queluz, em 2005, com comissariado de João Pinharanda Pedro Cunha
<i>Sombra</i> (1976), obra de Julião Sarmento incluída na exposição <i>Sob o Signo de Amadeo. Um seculo de arte</i>, nos 30 anos do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa
Sombra (1976), obra de Julião Sarmento incluída na exposição Sob o Signo de Amadeo. Um seculo de arte, nos 30 anos do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa Rui Gaudêncio
Aspecto da exposição <i>No Fio da Respiração</i>, individual de Julião Sarmento na Galeria Municipal de Matosinhos, em 2017, com comissariado de Miguel von Hafe Pérez
Aspecto da exposição No Fio da Respiração, individual de Julião Sarmento na Galeria Municipal de Matosinhos, em 2017, com comissariado de Miguel von Hafe Pérez Paulo Pimenta
Sugerir correcção