Covid-19: PSP dispersa ajuntamentos em Lisboa e no Porto

Durante a madrugada deste domingo, um grupo de cerca de 100 pessoas, de acordo com informações avançadas pela PSP, juntou-se no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa. Também no Porto, houve um ajuntamento junto do Jardim da Cordoaria, mas não foram efectuadas detenções nem contra-ordenações.

Foto
daniel rocha

A Polícia de Segurança Pública (PSP) dispersou, no início desta madrugada, um grupo de cerca de 100 pessoas concentradas no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, disse o porta-voz do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa (Cometlis), o comandante Serafim, ao PÚBLICO.

Ao contrário do que foi veiculado este domingo por vários media — incluindo o PÚBLICO — não se tratou de uma multidão de 500 pessoas, como afirmou à Lusa uma fonte policial da direcção nacional da PSP que não está identificada. Segundo aquilo que o comandante Serafim disse ao PÚBLICO, a PSP recebeu denúncias anónimas que falavam em 500 pessoas concentradas naquele miradouro e a fonte da PSP terá avançado com o dado da denúncia.

O comandante explicou que às 23h15 havia relatos de pessoas junto ao miradouro; a PSP deslocou-se ao local e verificou que estavam dentro das regras. Uma hora depois chegaram as denúncias de que estavam 500 pessoas mas, chegados ao local, não se confirmou serem 500 mas cerca de 100 pessoas. “Não houve necessidade de intervenção porque ao nos avistarem começaram a dispersar. Em cerca de 30 minutos o local estava completamente limpo”, explicou o comandante Serafim ao PÚBLICO. O porta-voz do Cometlis acrescentou que não foi possível apurar se as pessoas estavam em incumprimento das regras uma vez que dispersaram. 

O jornal disse que a concentração começou depois de os restaurantes da zona terem encerrado, às 22h30 de sábado.

Também no Porto, fonte da PSP confirmou ao PÚBLICO que houve um ajuntamento na madrugada deste domingo junto do Jardim da Cordoaria e que agentes da PSP se deslocaram ao local, depois de terem recebido uma denúncia de que estariam cerca de 100 pessoas aglomeradas. Porém, lá chegados, os agentes averiguaram que o número de pessoas era inferior e rapidamente dispersaram a população, não tendo efectuado detenções nem registado contra-ordenações.