Ucrânia

Um regresso a Tchernobil, 35 anos após o maior desastre nuclear de sempre

A 26 de Abril assinala-se o 35.º aniversário do desastre nuclear de Tchernobil. Os fotojornalistas da European Pressphoto Agency exploraram a cidade fantasma de Pripyat e acompanharam um dia de trabalho no novo compartimento seguro da central nuclear ucraniana.

EPA/OLEG PETRASYUK
Fotogaleria
EPA/OLEG PETRASYUK

Pripyat, uma cidade-fantasma junto à fronteira da Ucrânia com a Bielorrússia, e próxima da antiga central de Tchernobil, congelou em 1986. Sobrevivem os cartazes de propaganda soviética, os hotéis estão abandonados, as rodas gigantes e carrosséis sem ninguém. Os camiões usados no controlo da explosão do reactor nuclear número 4 da central também não voltaram a contar quilómetros e ficaram, até hoje, estacionados, cobertos de ferrugem.

Na central nuclear há um novo compartimento seguro que cobre o “quarto bloco” da central, assim designado após a destruição do reactor número 4. No centro de controlo, os trabalhadores vigiam, atentos, os níveis de radiação.

A 26 de Abril assinala-se o 35.º aniversário do maior desastre nuclear de sempre

EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
EPA/OLEG PETRASYUK
Sugerir correcção