Novo Fiat 500 “La Prima” Cabrio: um eléctrico chamado desejo

Se o Fiat 500 conseguiu, nos últimos anos, conquistar a reputação de “objecto de desejo”, o Novo 500 eléctrico perde o coração térmico, mas quer seduzir pela sofisticação e modernidade tecnológica.

Foto
DR

O Fiat 500 é um dos mais bem-sucedidos casos de revivalismo dentro da indústria automóvel, com a marca italiana a ressuscitar, desde 2007, o pequeno Cinquecento, produzido entre 1957 e 1975. Já antes o tinha tentado, precisamente com o Fiat Cinquecento, na década de 90, mas na época não obteve nem de perto nem de longe o sucesso comercial do 500 do século XXI. É que, com linhas sedutoras e minimalistas, além de dimensões apropriadas a um ambiente citadino (e preço a condizer), o pequeno Fiat 500 acabou por conquistar uma legião de fãs que vê no carro, mais do que símbolo estatutário ou fonte de adrenalina, um objecto que quase se sente como parte da família. Mesmo que algumas mecânicas deixassem muito a desejar e que fosse necessário um trabalho constante de caixa para que, em cidades como Lisboa ou Porto, cheias de subidas, se desenvencilhasse, a frase “mas é tão bonito” acabaria por deitar por terra quaisquer dúvidas relacionadas com o desempenho.