Doze artistas livres

Sandra Leandro reune uma excelente colecção de ensaios sobre a prática artística portuguesa no feminino.

cultura,ipsilon,critica,artes,culturaipsilon,livros,
Fotogaleria
Exposicao Nature Abhors a Straight Line, de Gabriela Albergaria na Culturgest Nuno Ferreira Santos,Nuno Ferreira Santos
cultura,ipsilon,critica,artes,culturaipsilon,livros,
Fotogaleria
Exposicao A Conclusão da Precedente, de Ana Jotta na Culturgest Miguel Manso
cultura,ipsilon,critica,artes,culturaipsilon,livros,
Fotogaleria
Exposição A Minha Obra é o Meu Corpo, O Meu Corpo é a Minha Obra, de Helena Almeida em Serralves Paulo Pimenta

Quem abra este livro no índice, como é habitual nas recolhas de ensaios, estranhará a ausência de dois ou três nomes incontornáveis de mulheres artistas que protagonizaram a arte em Portugal dos últimos cinco séculos. Pensamos em Josefa de Óbidos, em Maria Helena Vieira da Silva ou em Paula Rego, para citar apenas três. Na realidade, as ausências compreendem-se a partir do momento em que se sabe que Sandra Leandro, investigadora e professora, já publicou duas outras colectâneas de ensaios sobre esta temática, a saber, Mulheres Pintoras em Portugal (Esfera do Caos, 2013) e Mulheres Escultoras em Portugal (Caleidoscópio, 2016). No caso que nos ocupa, estas obras, e outras referentes à escrita sobre mulheres artistas, vêm elencadas numa completa antologia bibliográfica que encerra este livro. De certa forma, ela confirma aquele que é o propósito generalista da coordenadora do livro: dar visibilidade à prática artística realizada por mulheres, partindo do princípio que esta prática tem sido menorizada pela história e pela sociedade.