“Tivémos uma ditadura com uma ideologia de género fortíssima que nunca foi posta em causa”

Lígia Amâncio, socióloga, afirma que o poder da ideologia de género salazarista e o individualismo explicam a ausência de feminismo em Portugal

Foto
Rui Gaudêncio

A socióloga Lígia Amâncio diz que em Portugal ninguém se habituou a debater as desigualdades sociais baseadas no sexo, na etnicidade. “É por isso que estamos com o problema sobre o racismo, outra negação da sociedade portuguesa”. Apesar de ter esperança nas novas gerações, mais desprendidas em relação à “mordaça” existente na sociedade, admite que as coisas ainda piorem “por conta da invasão da extrema-direita”.