Art(e)facts incentiva cooperação entre artesanato e arte contemporânea

Residências artísticas, exposições ou conferências farão parte da 1ª bienal Art(e)facts, que decorrerá entre Maio e Setembro, nas cidades de Fundão, Guarda e Manteigas, na Beira Interior. Há uma open call a decorrer.

Foto

Chama-se Art(e)facts, e, como o nome indicia, incentiva colaborações entre artistas e artesãos. O objectivo é a constituição de um património contemporâneo de obras focadas na valorização do território e na reinterpretação dos saberes tradicionais. A bienal decorrerá até Setembro, estando prevista a realização, em Maio, de residências artísticas no Fundão, em Guarda e em Manteigas, uma exposição colectiva nessas cidades, entre Julho e Setembro, e uma conferência internacional a 9 e 10 de Julho.

A bienal está inserida no programa de Arquitectura e Território da candidatura de Guarda a Região Europeia da Cultura 2027, na qual participam 17 municípios, numa lógica que pretende fomentar o desenvolvimento da Beira Interior a partir da cultura. Na direcção executiva da candidatura está o arquitecto, curador e ex-director do MAAT, Pedro Gadanho. O lema da primeira edição da bienal, com curadoria da arquitecta Andreia Garcia, é Supernatural Togetherness, estando aberta até 19 de Março a convocatória internacional para artistas, arquitectos ou designers, que vai premiar dois projectos com bolsas até seis mil euros. Projectos inéditos, ou em fase de investigação, que valorizem o artesanato, a aprendizagem com artesãos, a intersecção artista-artesão e técnicas como a tecelagem de burel ou de linho, a cestaria de vime, a olaria ou a cestaria de castanho serão privilegiadas. 

Foto

Os dois projectos seleccionados serão anunciados na primeira semana de Abril e desenvolvidos durante o mês de Maio, em residências artísticas a realizar em oficinas de artesãos locais, envolvendo a produção de mais quatro projectos da autoria de criadores convidados pela organização e culminando com a exposição colectiva a inaugurar em Julho. Segundo Andreia Garcia, “o programa Art(e)facts pretende contribuir para preservar o legado da região e renovar o seu futuro como património para as novas gerações, ao mesmo tempo que tenta construir cenários intergeracionais que garantam a sobrevivência, quer do meio rural, quer do próprio planeta, com a intenção de melhorar as relações de cooperação e de interdependência entre os seres e os agentes que vivem na Beira Interior”.

A palavra “cooperação” é vital no projecto, sublinha Andreia Garcia. “Sabemos que a vida não conquistou o planeta através da luta, mas da cooperação; nesse sentido, a edição Supernatural Togertherness, propõe-se resgatar os laços entre seres vivos. Preservar séculos de esforço para construir uma vida sociopolítica que deve ser estendida a todos os agentes que concebem o mundo; imaginando ousadamente um novo mundo a partir dos imaginários locais e artesanais.”