Viúvo com demência doou mais de nove milhões a cuidador e a advogado

Transferência de património foi validada por notário de Ponta Delgada, que alegou não ter competências clínicas para avaliar estado do idoso. Mas responsabilidade disciplinar terá prescrito. Ordem garante nunca ter sido avisada pelos tribunais.

Foto
Effe.News

Diz quem o conheceu que era muito agarrado ao dinheiro. Mas foi esse carácter avarento, aliado a um bom olho para o negócio, que fez este funcionário público dos serviços agrícolas nascido na ilha de São Miguel amealhar uma fortuna da qual se havia de ver despojado no final da vida. Em escassos meses passou o que tinha e até o que não tinha para as mãos do seu advogado e de um funcionário de longa data a cujos cuidados a família o entregou, depois de ter sofrido um AVC de cujas sequelas nunca recuperou.