Ricardo Mexia: "O combate à pandemia não se faz só com restrições"

O ano começou com imagens de esperança: depois de um Natal desconfinado, as primeiras vacinas começaram a ser administradas e foi possível vislumbrar uma vida sem restrições sociais. O pior começou seis dias depois: pela primeira vez, foram ultrapassados os dez mil novos casos diários.

Portugal atravessa a pior fase desde que o novo coronavírus chegou ao país. O que falhou para estarmos nesta situação? Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, aponta dois factores: a comunicação por parte do Governo e a incapacidade de interromper as cadeias de transmissão.

O especialista sublinha que a chegada da vacina "é uma boa notícia", mas lembra que nada deve mudar na abordagem à doença "durante várias semanas", até que os principais grupos de risco estejam protegidos.

Com Reuters.

Sugerir correcção