Caminhadas

Fábio percorreu os 4000 quilómetros do Pacific Crest Trail em 108 dias

Cruzou-se com cinco ursos e um puma, teve falta de comida e chegou a estar desidratado. No entanto, quando chegou ao fim do Pacific Crest Trail, Fábio Inácio sentiu que foi “uma conquista brutal”. 

Fábio Inácio
Fotogaleria
Fábio Inácio

De mochila às costas, com roupa, comida e tenda: foi disto que Fábio Inácio, de 35 anos, precisou para “sobreviver” nos 108 dias em que percorreu o Pacif Crest Trail (PCT), um dos trilhos mais conhecidos no mundo. Ao P3, Fábio diz ser “o primeiro português de que há registo” a fazer este percurso que liga o México ao Canadá, passando pelos Estados Unidos. Só que para se desafiar "a nível físico e psicológico", fez o percurso inverso: do Canadá ao México.

A viagem, que começou a 5 de Julho de 2019 e terminou a 20 de Outubro do mesmo ano, "não foi planeada com muito detalhe". A preparação física e mental foi “muito pouca”, porque Fábio faz desporto regularmente há muitos anos, desde bodyboard a corridas, e está habituado a viajar. Durante o percurso, dormiu em média seis horas por noite, mas “descansava bem”. Caminhou uma média de 39,5 quilómetros diários e o máximo que fez num dia foram 81 porque “o corpo começou a ganhar muita força”. Nem sempre teve vontade de andar todos os dias, mas tinha de o fazer para chegar a determinado local “onde sabia que tinha água, por exemplo”.

Mas nem sempre a encontrou e esteve um dia inteiro sem comida. Do início ao fim da viagem, passou de pesar 74 para 61 quilogramas. Nas vilas que ia encontrando pelo caminho, Fábio tinha acesso a uma caixa de comida que deveria dar para cinco dias, mas dava-lhe para três. “Comprava comida leve para não pesar nas costas e, de preferência, com mais calorias.”

Além de longo, o PCT é desafiante: há serras, montanhas, rios, lagos, vida selvagem, desertos. Fábio viu isso tudo. “Levei a viagem como um dia normal da nossa vida, em que nos aparecem coisas à frente e temos de resolver”, garante. Passou por tempestades e viu cinco ursos e um puma. A sensação foi “linda”, mas também sentiu medo. “Um dos ursos veio a correr para mim e eu aí gritei”, relata. “Houve uma altura que comecei a andar muito de noite, mas depois vi um puma. Quando deixei de o ver fiquei aterrorizado. Estava há horas sem ver ninguém e não tinha ninguém para me ajudar. Durante uma semana, o corpo rejeitava-se a andar à noite. As pernas começavam a tremer automaticamente.”

Fábio quis passar o máximo de tempo sozinho para “sentir tudo” à volta. A maioria das noites acampou: montava a tenda debaixo de uma árvore, quando dava, ou simplesmente ficava a dormir ao ar livre. Aconteceu também, mas por poucas vezes, ficar a dormir nas vilas, onde aproveitava para tomar um banho e para "comer bastante”. Também era aí que tinha acesso a internet para entrar em contacto com a família e amigos. Quando chegava a uma destas vilas todos mostravam simpatia e queriam ouvi-lo contar histórias. Conheceu muitas pessoas, de diversos países, e criou algumas ligações que ainda hoje se mantêm. Segundo Fábio, fazer o percurso “dá para qualquer pessoa, desde que esteja disposta a sofrer um bocado”.

Durante o caminho, ninguém se fazia conhecer pelo próprio nome. “O meu nome era Juicy fruit. Tinha uma camisa com ananases e melancias, com a qual andei do primeiro ao último dia, e houve uma senhora que me deu esse nome”, explica. No primeiro dia do percurso, a sensação de estar lá foi “uma alegria enorme”; quando acabou foi “uma conquista brutal”. Apesar de haver dias mais complicados, a maior parte do tempo “estava tranquilo e a viver o momento”. “Quase no fim pensei ‘vou até ao fim, mas nunca mais vou fazer nada disto’. Depois quando acabei já estava a pensar noutro percurso”, conta, entre risos. No futuro, pretende fazer o mesmo caminho em menor tempo, ou outros existentes nos Estados Unidos.

“Os meus dias passavam por acordar, andar, parar às vezes para comer; quando havia lagos nadava, meditava, voltava a nadar, montava a tenda, ou não, escrevia e dormia”, recorda. Era à noite, antes de dormir, que Fábio tinha tempo de “escrever no telemóvel” o que se passou durante o dia. E com esses apontamentos fez um livro sobre a viagem, “um diário” com fotografias, acabado de lançar no final de Novembro. 

Texto editado por Ana Maria Henriques

Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Fábio Inácio
Sugerir correcção