Daniel transformou o anexo onde passou a infância na casa de família

Daniel Pires passou a infância num anexo. Já adulto, arquitecto, transformou-o na casa que agora pertence aos seus pais.

Filipa Bernardo
Fotogaleria
Filipa Bernardo

Localizado no Entroncamento estava um anexo onde o jovem Daniel Pires se reunia com a família e os amigos. O mesmo jovem que hoje é arquitecto transformou-o na casa que agora pertence aos seus pais. Um “anexosito com dois pisos”, como o próprio se refere ao espaço. Neste lote comprido, Daniel foi “buscar a mística que o espaço tinha” e desenhou a casa onde fez questão de “definir as principais memórias e pegar nos princípios que tinham de ser mantidos”, como a profundidade do terreno e a transparência, conta ao P3.

Aproveitando a construção já existente, manteve o pátio da casa como primeiro espaço com o qual nos deparamos ao entrar. Este tem uma horta biológica – uma das particularidades da Casa Sobreira Pires, aqui fotografada por Filipa Bernardo. Ao chegar ao interior é possível, “através dos envidraçados da parte mais social, ter sempre uma transparência de um lado para o outro. Era uma transparência já existente e que eu quis manter.” 

A nova casa não tem muito espaço de circulação. As áreas são aproveitadas como espaços completos que se definem com três volumes de betão “que auxiliam os espaços principais”. Como? Neles estão contidos desde os arrumos da cozinha à ventilação, aproveitando o espaço da melhor forma. Os materiais usados na construção, sobretudo a pedra da cozinha e o xisto, provêm de pedreiras de áreas adjacentes, aproveitando as várias actividades económicas da região.

O desafio deste projecto foi o contrário do habitual trabalho de um arquitecto, descreve Daniel: foi “fazer com que a exagerada informação não toldasse o pragmatismo necessário para a definição da ideia base”. O pai do arquitecto foi os seus "olhos na obra". O coração de Daniel já pertencia ao projecto ainda antes de este começar. A sua vivência e as memórias que tem dos avós continuam presentes, “a fazer parte da casa”.

No fim das obras, juntamente com Filipa Bernardo, fotógrafa e sua companheira, o casal fez uma reportagem fotográfica da casa e decidiu partilhá-la por vários canais, que aceitaram. Daniel não contava com a surpresa, admite, mas foi “um choque muito positivo”. 

Texto editado por Ana Maria Henriques

Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Filipa Bernardo
Sugerir correcção