Opinião

Continuamos contigo, Gonçalo

Havemos de combater para que alguém surja na governação deste país com capacidade e vontade para implementar no terreno, e não apenas nos discursos, as ideias por que lutaste toda a tua vida. Bem hajas, Gonçalo Ribeiro Telles!

Estamos com os que sempre te acompanharam, alguns mais de perto, outros mais de longe, e vamos continuar a dar corpo às ideias que contigo partilhamos. Vamos continuar a resistir com os valores e os conceitos com que inovaste o discurso e a prática social e política.

Alguns viemos da resistência democrática, que nos grupos monárquicos ou no Centro Nacional de Cultura, com Francisco Sousa Tavares e tantos mais, dinamizaste, outros encontrámos-te na denúncia do desordenamento do território, a propósito das cheias de 1967, outros, depois, quando produzes a primeira lei do mundo de protecção do sobreiro, em 1975, e a partir daí no percurso de estabelecimento dos elementos fundamentais do nosso espaço e do ordenamento, a legislação das Reservas Nacionais Ecológica e Agrícola, e também os Planos Regionais de Ordenamento do Território e os Planos Directores Municipais.

Entretanto, muitos já tínhamos contigo criticado o projecto de Alqueva e proposto alternativas que hoje dariam outra vida ao Alentejo e à sua perenidade, e outros também dado força à oposição à energia nuclear que espreitou primeiro em Ferrel e depois um pouco por todo o país, contra a qual, como tu, sempre fomos, assim como pelas alternativas energéticas suaves.

Não esquecemos a epopeia que foi o combate alfacinha em Lisboa quando defendemos contigo dar a liderança às hortas sociais na urbe, e um outro desenvolvimento urbano que integrasse o agro, o que na altura era considerado lunático, mas hoje vemos por todo o mundo a querer alterar as relações cidade/campo.

Defendemos contigo outro desenvolvimento e outra organização do território e hoje continuamos a lutar contra a monotonia produtiva e por outras lógicas económicas e sociais.

Partilhámos e continuaremos a partilhar com o teu espírito e inspiração tantas, tantas lutas, e vamos continuar, com toda a transparência e integridade, e sem necessidade de dizer o que não sentimos nem de usar palavras a que não damos significado.

Vamos encontrar maneiras de corporizar uma grande homenagem nacional que Portugal te deve promover mas, mais importante ainda, havemos de combater para que alguém surja na governação deste país com capacidade e vontade para implementar no terreno, e não apenas nos discursos, as ideias por que lutaste toda a tua vida. Bem hajas, Gonçalo Ribeiro Telles!

António Eloy
Carlos Pimenta
Fernando Santos Pessoa
João Reis Gomes
Jorge Paiva
José Carlos Costa Marques
Luís Coimbra
Paulo Trancoso
Rui Cunha