Neste Apartamento, Igor liberta-se de corpo e género

Apartamento é o mais recente trabalho do fotógrafo Igor Pjörrt. O projecto representa a existência de um palco – o apartamento – que permite questionar a consciência social do corpo tanto num espaço privado como público e, ao mesmo tempo, a procura diária de uma libertação da visão binária sobre o género.

Igor Pjörrt
Fotogaleria
Igor Pjörrt

De apartamento em apartamento. Assim foi a infância de Igor Pjörrt. Agora, com 24 anos, fez nascer um projecto fotográfico inspirado neste preambular que o obrigou a adaptar-se constantemente a um novo espaço e a transportar sempre consigo uma “bagagem não só física, mas também emocional”, conta ao P3.

Nunca escondeu a sua “relação complicada” com a ilha que o viu crescer, a Madeira, como contou ao P3 em 2016. No entanto, com o surgimento da pandemia de covid-19, ficou quase cinco meses confinado na sua terra natal, o que o fez recordar o passado e, com isso, encontrar um tema para o seu projecto de mestrado em Fotografia, na Suíça, ao qual chamou Apartamento.

“Na minha infância, eu e a minha família mudámo-nos muitas vezes de apartamento no mesmo condomínio por causa de problemas financeiros. Era quase o mesmo apartamento, mas cada vez mais pequeno”, recorda. A partir dessa lembrança, o jovem começou “a estabelecer paralelos" — "entre esta ideia de movimento com a ideia de habitarmos num corpo durante a nossa vida e de como estamos em constante transformação”, explica.

Igor quis que o tema ligado a este projecto passasse também pela identidade de género. Na Madeira, vivia com o “sentimento de ser oprimido socialmente e geograficamente” na abordagem desta questão e crescer "com uma mãe solteira foi muito importante". “Era quase um matriarcado, onde ela me puxava a explorar a minha parte feminina, mas ao mesmo tempo também me pressionava a assumir a minha masculinidade. A certa altura, senti que tinha de abandonar o feminino, quando, na verdade, os dois podiam coexistir”, garante.

Para desenvolver a ideia pensou na identidade e na individualidade “que a publicidade usa como uma técnica de venda, onde o produto em questão já não é tanto o produto em si, mas sim o contexto social, racial e de género” onde se insere. A intenção de Igor era criar imagens onde há “muita ambiguidade” e onde “a identidade de género não existe isolada” para que fosse possível “abrir espaço para uma discussão”.

Texto editado por Amanda Ribeiro

Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Igor Pjörrt
Sugerir correcção