negocio,empresa,vicios,p3,surf,cabo-verde,
LUSA/CARLOS M. ALMEIDA
Reportagem

Joselito faz pranchas em Portugal, mas sonha surfar em Cabo Verde

Foram as pranchas que o levaram ao mar e não o contrário. Joselito Rosário sonha surfar os mares cabo-verdianos, enquanto dá forma a pranchas na Costa da Caparica.

Joselito Rosário aprendeu a construir pranchas de surf em Portugal, antes mesmo de se apaixonar pelas ondas. Agora, sonha em aplicar a sua arte em Cabo Verde, onde os campeonatos de surf têm cada vez maior relevância.

Com as iniciais do seu nome (JR) inscritas no boné — a marca das pranchas que constrói para si — o shaper cabo-verdiano contou à Lusa que trabalhava em oficinas, bate chapas, mecânica e pintura, antes de vir para Portugal, em 2012. A destreza com as mãos deu-lhe jeito no seu primeiro emprego, numa fábrica de pranchas.

PÚBLICO -
Foto
Carlos Almeida

Atento e com sede de aprender, não passou muito tempo até ser convidado a iniciar-se nas etapas que culminam na construção de uma prancha.

Começou na sala dos copinhos (que ligam as quilhas à prancha), passou pela lixa, a laminação. “Shapear” uma prancha, que é dar forma ao material de que é composta, foi o objectivo alcançado e agora faz uma prancha do princípio ao fim numa empresa situada na Costa da Caparica, a The Factory.

Ali tem tido a oportunidade de conhecer o trabalho de shapers de renome mundial, como o brasileiro Lipe Dylong, um dos primeiros surfistas a participarem no circuito mundial de surf e que escolheu este local em Portugal para fazer algumas das suas pranchas.

PÚBLICO -
Foto
Carlos Almeida

O dia-a-dia é feito de muito pó. Quase sempre de máscara na cara, faz as pranchas a pedido e recebe encomendas especiais, nenhuma extraordinariamente original. Gosta de modelos clássicos, embora não vire a cara a um desafio, e tem sempre consigo a primeira prancha que construiu.

Curiosamente, foram as pranchas que o levaram ao mar e não o contrário, como é mais comum acontecer. “Os meus colegas incentivaram-me para experimentar [fazer surf] e no primeiro dia que experimentei consegui ficar de pé”, afirmou, recordando esse momento de alegria que o prendeu a este desporto, que pratica com regularidade.

Vive no Monte da Caparica e sempre que pode corre para o mar, enaltecendo as ondas da Costa e também o papel dos surfistas na defesa do mar e no salvamento de banhistas.

PÚBLICO -
Carlos Almeida

Joselito acredita que fazer surf o ajuda na construção das pranchas e vice-versa: “Surfar ajuda a conhecer as ondas e o tipo de pranchas que queres fazer e como as podes fazer, como deve ser o ‘rocher’ (a curvatura do fundo da prancha), os fundos...”.

A marca JR começou numa brincadeira, quando foi desafiado por um amigo a criar um logótipo para o seu trabalho. Primeiro optou pela designação “Black Shark” (tubarão negro), mas acabou por escolher iniciais do seu nome.

PÚBLICO -
Foto
Carlos Almeida

Usa o logótipo com as iniciais no boné e nas pranchas que constrói para si. Prefere longboards (ideais para ondas pequenas e médias, ou grandes se o surfista tiver muita experiência), mais clássicas, retro, com linhas mais antigas, embora também goste de inventar.

Normalmente, surfa nas praias da Costa da Caparica, como a do Dragão ou do CDS, mas os seus sonhos estão a mais de 3 mil quilómetros, em Cabo Verde.

Há três anos, quando regressou ao arquipélago de férias, levou consigo várias pranchas. Uma delas foi o troféu num campeonato de surf de relevo das ilhas, organizado pelo movimento Blue Wax, sendo cada vez mais os adeptos deste desporto, ou não fosse o país um arquipélago.

Só nessa altura Joselito surfou as ondas do mar cabo-verdiano, na praia de Tupim, na “sua” ilha de São Vicente. E pôde então aperceber-se da grande diferença: a temperatura da água. “Nunca como agora dei tanta importância às ondas em Cabo Verde, apesar de sempre ter ido com a família à praia”, disse.

PÚBLICO -
Carlos Almeida
PÚBLICO -
Carlos Almeida
PÚBLICO -
Carlos Almeida
Fotogaleria
Carlos Almeida

E é da família e dos amigos que lá deixou que sente mais falta. “Em Cabo Verde toda a gente conhece todo o mundo, cumprimenta todo o mundo. Quando cheguei, podia entrar num elevador que ninguém falava”, recordou.

Mas agora já se sente português e quando as saudades apertam partilha-as com outros cabo-verdianos com quem convive onde mora, no Monte da Caparica.

Por seu lado, os amigos do surf que deixou em Cabo Verde enviam-lhe de vez em quando fotos e imagens das suas pranchas em acção, a cortar as ondas do Atlântico junto às ilhas, mas Joselito quer mais: uma fábrica de construção de pranchas de surf em terras da Morabeza.

Sabe que não é fácil, até porque vive em Portugal, onde tem a mulher e três filhos, mas gostava de poder ajudar o país de origem a poder usufruir mais do mar que o rodeia e através do surf. “Gostava muito de ajudar para o surf em Cabo Verde evoluir. Temos bastantes grandes atletas, mas o poder de compra é muito baixo e o material é muito difícil de obter”, lamentou.

PÚBLICO -
Foto
Carlos Almeida

Os preços de uma prancha de surf, que pode facilmente atingir os 800 euros, também são impeditivos para o nível económico do seu país de origem e a escassez dos materiais no arquipélago leva a que possam ficar ainda mais caras.

Enviar pranchas para Cabo Verde também não é uma tarefa fácil e muito menos barata. Por isso, continua a acalentar o sonho que criar uma empresa de pranchas em Cabo Verde e, quem sabe, regressar para o seu país quando o negócio estiver na crista da onda.

Sugerir correcção