Torne-se perito Crónica

Guerra

john-ford,cinema,culturaipsilon,pedro-costa,fernando-pessoa,doclisboa,
Fotogaleria
Dia 24 de Outubro, Guerra estreia no DocLisboa
john-ford,cinema,culturaipsilon,pedro-costa,fernando-pessoa,doclisboa,
Fotogaleria
Dia 24 de Outubro, Guerra estreia no DocLisboa

Dizem que para fazer um filme — ou uma obra de arte — pode valer tudo. John Cassavetes, um dos príncipes do cinema independente, afirmou que assim que a câmara começa a rolar um realizador deve deixar de fora as suas misérias, os problemas pessoais, a falta de dinheiro, etc., e proteger o filme de tudo o que é acessório, em direcção a uma pureza. John Ford, depois dos grandes épicos e dos Óscares, surpreendeu alguns dos seus próximos ao afirmar que gostaria era de fazer “filmes na cozinha”, filmes pequenos, filmes familiares. Durante este longo e tortuoso período de confinamento pandémico muito se falou nas mudanças que o cinema sofrerá, tanto ao nível da exibição como na produção. Mas basta vermos o apoio que grandes festivais de cinema europeus atribuíram (e atribuem) a filmes que em alguns casos têm quatro ou cinco co-produtores internacionais para percebemos a tremenda injustiça desta repartição. Ao contrário do slogan, parece que tudo ficará igual ou pior: um filme que já tem milhões de orçamento de vários países precisará de uma soma menor que a um jovem cineasta “descalço” daria para vários filmes? E que dizer das não-respostas que esses mesmos festivais dão a jovens cineastas com filmes sem cheta feitos “porque senão morriam”? “Quem é o seu produtor, distribuidor, ou agente de vendas? Algum deles tem pedigree internacional? Assim não podemos passar o seu filme mesmo que seja uma obra-prima”. Na semana passada um programador-estrela a quem nos recomendaram mandar Guerra (pois há muito esgotamos o orçamento para inscrições no site) respondeu-nos que só via longas-metragens quando lhe pagavam para as escolher para festivais ou então para o jornal seu ganha-pão, caso contrário era perda de tempo, a não ser que fosse uma “curta”. Rainer Maria Rilke respondeu assim ao seu jovem admirador nas Cartas a um jovem poeta: “(…) pergunte se morreria caso fosse impedido de escrever”; “Acima de tudo, na hora mais silenciosa da noite, pergunte a si próprio: tenho de escrever?” No meu caso comecei com a Marta Ramos e uns amigos um filme com o recém falecido actor José Lopes — todos os jornais falaram dele na hora da morte — quando ele estava desempregado, eu estava desempregado, a Marta tinha um emprego diverso, e a única preocupação era arranjar menos de dois euros para o José Lopes regressar a Rio de Mouro para estar perto da filha; também por esses tempos a nossa média-metragem de título Longe tinha acabado de estrear em Locarno.