Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Dois irmãos foram à China e trouxeram bicicletas de bambu

Joana e Tiago Saavedra decidiram pegar num conceito “importado” da China, mas ainda pouco explorado na Europa. Na sua casa em Anadia estão a produzir bicicletas em bambu, um material mais amigo do ambiente.

Foi numa visita à irmã, que está a trabalhar e a viver na China, que Tiago Saavedra se perdeu de amores pelas bicicletas de bambu. Daí até equacionar, juntamente com a irmã, a ideia de trazer aquele conceito para Portugal foi um salto. Joana e Tiago Saavedra criaram a marca bam.bu Bicycles, cujos primeiros modelos já andam a ser testados por vários utilizadores de bicicletas. Produzidos artesanalmente, num território com forte tradição no sector, estes veículos tem todas as condições para continuar a ganhar novos fãs: têm um design único, são leves e feitas a partir de um material sustentável.

Em vez dos habituais quadros produzidos com aço, alumínio ou fibra de carbono, estas bicicletas apresentam quadros feitos com bambu, planta com inúmeros usos e aplicações - instrumentos musicais, móveis, cestos e até na construção civil. “É um material vegetal, que existe em abundância, e extremamente resistente”, destaca Tiago Saavedra, designer de produto, de 29 anos, que agora virou produtor de bicicletas. É ele quem desenha e constrói cada modelo da marca criada em conjunto com a irmã, de 35 anos.

A partir da sua casa, em Anadia, vai dando corpo e forma às bam.bu Bicycles, sempre com o objectivo de ir ainda mais além. “Neste momento, só o quadro é que é feito a partir de bambu, mas estamos a estudar a possibilidade de também fazermos os pára-lamas e parte dos pedais com bambu”, aponta o jovem empreendedor. O objectivo é que cada modelo seja o mais amigo do ambiente possível, limitando o recurso a outros materiais mais poluentes.

“Esta planta é ainda mais sustentável do que a madeira”, realça Tiago Saavedra. Ainda que tenha de ser importado de outros continentes – não existe bambu na Europa -, sujeito a viagens de milhares de quilómetros, o bambu “tem uma pegada ecológica bem menor do que os outros materiais”, assevera.

Test-drives gratuitos até ao final do mês

Até ao final do mês, os criadores das bam.bu Bicycles estão a proporcionar test-drives aos seus veículos. A partir do espaço da associação Rota da Bairrada (Estação da CP), na Curia, e no Velódromo Nacional, em Sangalhos – ambos situados no município de Anadia -, é possível experimentar estas bicicletas de produção artesanal. Quem já por lá passou deixou “nota positiva”, mostrando-se agradado “com o design e também com a leveza” daqueles veículos. “E também com o amortecimento natural de cada modelo”, refere Tiago Saavedra.

Ainda em fase de apresentação do produto, há algo que os jovens empreendedores já têm como certo: “esta não será uma bicicleta de massas”. “O facto de ter uma produção artesanal e o próprio material usado, permite que cada bicicleta seja única”, destaca o jovem empreendedor, convencido de que existe um mercado para o produto que estão a desenvolver – e cujo preço final estão ainda a definir.

A localização também pode vir a jogar a favor desta marca de bicicletas de bambu. Tendo Anadia, em particular a freguesia de Sangalhos, uma forte tradição no sector das duas rodas, os jovens empreendedores perspectivam a possibilidade de até poderem vir a criar “sinergias e parcerias” com outras empresas da região. Aliás, ao próprio Tiago Saavedra tem valido a experiência que adquiriu na sua curta passagem pela Miralago, empresa-mãe da Órbita, entretanto declarada insolvente. A esses conhecimentos foi juntando muitas pesquisas e testes, buscando métodos de produção e novos designs.

Sugerir correcção