Em Mangualde, há um projecto para facilitar a terra abandonada a quem a trabalha

Vítor Almeida é o primeiro pastor a integrar o Banco de Terras da Cooperativa de Mangualde e vai passar as suas ovelhas bordaleiras para uma quinta de 15 hectares no sopé da Serra da Estrela. “É o paraíso”, descreve.

pecuaria,serra-estrela,alimentacao,local,agricultura,
Fotogaleria
pecuaria,serra-estrela,alimentacao,local,agricultura,
Fotogaleria
pecuaria,serra-estrela,alimentacao,local,agricultura,
Fotogaleria
pecuaria,serra-estrela,alimentacao,local,agricultura,
Fotogaleria
pecuaria,serra-estrela,alimentacao,local,agricultura,
Fotogaleria
pecuaria,serra-estrela,alimentacao,local,agricultura,
Fotogaleria
Ovelha
Fotogaleria
Ovelha
Fotogaleria

Ao percorrer o caminho que desenha parte do perímetro da quinta, o pastor Vítor Almeida vai indicando o que encontrou em cada ponto e os planos que tem para o futuro do terreno. “Isto é para as ovelhas comerem e o que não comerem eu vou capinar. Aqui vem dar o ribeiro que já andei a limpar. Além há uma entrada e debaixo destas pedras nasce água”, indica, ao volante de um jipe que se torna essencial para circular pela acidentada estrada de montanha. São cerca de 15 hectares encaixados num vale perto de Almeidinha, aldeia do concelho de Mangualde, onde, até ao final do mês, Vítor Almeida deverá instalar o seu rebanho de cerca de 100 ovelhas bordaleiras. Para já, anda atarefado a preparar o terreno e a construir o ovil que irá servir de abrigo aos ruminantes.