Nagorno-Karabakh: está Erdogan a “comprar uma guerra” no Cáucaso?

O conflito entre a Arménia e o Azerbaijão parece insolúvel. Desta vez há um novo factor: a Turquia incentiva Bacu a reconquistar o enclave perdido de Nagorno-Karabakh. Ninguém quererá uma verdadeira guerra. Mas o Cáucaso do Sul pode voltar a incendiar-se.

A irrupção de combates nas fronteiras do Azerbaijão com a Arménia reacende o mais antigo conflito europeu “sem solução”: o do Nagorno-Karabakh. Em quatro dias, há notícia de mais de uma centena de mortos. Na terça-feira à noite, o Conselho de Segurança da ONU apelou ao cessar-fogo, para evitar uma guerra aberta entre os dois países. A Turquia incentiva o Azerbaijão a recuperar o território perdido, assumindo um papel central na escalada a que se assiste. Na quarta-feira, o Presidente azerbaijano, Ilham Aliyev, prometeu aos concidadãos que combateria até que “as forças arménias se retirem completamente, incondicionalmente e imediatamente” da sua terra.