Linguagem inclusiva chega às Forças Armadas, mas já existe um guia há mais de dez anos

TSF avançava nesta terça-feira que as Forças Armadas receberam indicações para adoptarem uma linguagem mais inclusiva. Algumas das regras existem desde pelo menos 2009.

Foto
Regimento de Lanceiros (foto de arquivo) Nuno Ferreira Santos

Em 2009, a Comissão para a Cidadania e para a Igualdade de Género (CIG) publicou um guia de 32 páginas sobre linguagem inclusiva na administração pública. Já aí se aconselhava o uso de “pai e mãe” em vez de pais ou “filhas e/ou filhos”, em vez de “filhos”, por exemplo. Em 2018, uma brochura do Conselho da União Europeia aprofundava a questão com recomendações sobre comunicação inclusiva. O tema chegou agora ao Estado-Maior-General das Forças Armadas e aos três ramos militares que, de acordo com a TSF, receberam do Ministério da Defesa Nacional um directiva com alguns exemplos da nova linguagem a adoptar.