Queda de tecto do Metro de Lisboa na Praça de Espanha provoca quatro feridos

Erro nas obras na Praça de Espanha obriga a Linha Azul a funcionar apenas em dois troços nos próximos dias. Toda a rede terá constrangimentos. Obras de consolidação do túnel podem demorar.

local,lisboa,metro-lisboa,transportes,
Fotogaleria
Mário Cruz/Lusa
local,lisboa,metro-lisboa,transportes,
Fotogaleria
Mário Cruz/Lusa
local,lisboa,metro-lisboa,transportes,
Fotogaleria
Mário Cruz/Lusa
local,lisboa,metro-lisboa,transportes,
Fotogaleria
Mário Cruz/Lusa
,Azerbaijão
Fotogaleria
LUSA/MÁRIO CRUZ
Fotogaleria
LUSA/MÁRIO CRUZ

O desabamento do tecto do túnel do Metro de Lisboa perto da estação da Praça de Espanha, devido às obras nessa zona lisboeta, provocou quatro feridos ligeiros, dois dos quais foram transportados para o hospital. A Linha Azul terá a circulação limitada e a funcionar nos próximos dias aos troços Reboleira - Laranjeiras e Santa Apolónia - Marquês de Pombal, disse o Metropolitano de Lisboa em comunicado.

O incidente deu-se às 14h19 quando um comboio estava a abandonar a estação da Praça de Espanha, obrigando o maquinista a uma travagem brusca. A Linha Azul foi cortada e, entretanto, por volta das 16h15, foi retomada a circulação (excepto no troço Laranjeiras - Marquês de Pombal). Na altura do incidente estavam cerca de 300 pessoas na composição que passava no local quando ocorreu o desabamento. Segundo o Metropolitano de Lisboa, o tecto do túnel atingiu o comboio.

Segundo fonte do Metro de Lisboa, os quatro feridos correspondem a três casos de ansiedade e ao segurança que ficou com ferimentos ligeiros ao ajudar os restantes passageiros a sair do metro. O local estava rodeado de veículos de socorro, e o buraco no chão era visível. Todos os passageiros foram rapidamente retirados, de acordo com o vereador da Protecção Civil de Lisboa Carlos Castro.

O INEM indica, na rede social Twitter, que dois feridos foram tratados no local e outros dois, um homem de 27 anos e uma mulher de 54, foram transferidos para o Hospital Santa Maria, em Lisboa.

Fonte oficial da transportadora disse ao PÚBLICO que é provável que haja perturbações na circulação do metro na quarta-feira em todas as linhas, devido ao incidente.

O Metropolitano de Lisboa adiantou que foi accionado o Plano de Segurança, “tendo sido implementadas todas as medidas adequadas, com vista a minimizar o impacto daquele desabamento junto dos seus clientes”.

Desde o princípio do ano que decorrem obras na Praça de Espanha com vista à alteração da rede viária e à criação de um parque verde. Castro disse aos jornalistas no local que o incidente foi “decorrente da obra” e a informação foi confirmada pelo Metro de Lisboa, em comunicado. O presidente do metro, Vítor Domingues dos Santos, adiantou que no decorrer das obras da Praça de Espanha, “ao demolirem parte da estrutura de betão armado, furaram a galeria, que já é muito antiga, danificando o comboio que estava no momento a passar”.

Tanto a Câmara de Lisboa como o Metropolitano de Lisboa mandaram abrir um inquérito “para averiguação das causas que estiveram na origem da ocorrência.”

Vítor Santos adiantou que o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) vai fazer uma avaliação mais detalhada do estado do túnel, mas que este precisa de ser reforçado por se tratar de uma estrutura com mais de 50 anos que não tem betão armado. O presidente da transportadora deu a entender que a estação poderá estar encerrada por algum tempo para que se faça esse trabalho.

Carlos Castro garantiu que a Carris vai criar carreiras de substituição para o percurso do metro agora fechado (Laranjeiras - Marquês de Pombal). ​Com Lusa

Sugerir correcção