Bebé deixado junto a Centro Social Baptista com carta a pedir um “lar”

Comandante dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém, Francisco Rosado, insiste em passar às famílias em dificuldades a mensagem de pedirem ajuda antes de tomar uma decisão destas.

questoes-sociais,criancas,sintra,sociedade,
Foto
Alerta foi dado depois de funcionários do centro ouvirem choro do bebé daniel rocha

Um bebé de 21 dias foi deixado na terça-feira junto Centro Social Baptista, no Cacém, no concelho de Sintra. Estava numa cesta, vestido, aparentemente bem tratado e com um biberão de leite ao lado. Com ele, estava também uma carta, na qual se explica que, na origem daquela “difícil decisão” estão “muitas dificuldades” e na qual se pede “um lar”, uma “família com melhores condições” para cuidar do bebé.

Estas informações foram confirmadas ao PÚBLICO pelo comandante dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém, Francisco Rosado, na sequência das notícias avançadas por órgãos de comunicação como o Jornal de Notícias e o Correio da Manhã.

Apesar de tudo indicar que esteja bem de saúde, o bebé foi transportado para o Hospital Fernando da Fonseca, na Amadora, onde ainda estava na terça-feira à tarde. A Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens e a Santa Casa da Misericórdia já terão sido também contactadas.

PÚBLICO -
Foto
Carta encontrada junto do bebé

Francisco Rosado conta ainda que o alerta foi dado por volta das 22h30. Quem deixou o bebé “devia saber que estava a haver uma reunião no centro”, garantindo, assim, que alguém veria a criança, notou ainda o comandante ao PÚBLICO. De acordo com fonte da PSP, citada pela agência Lusa, foram os funcionários do centro social que deram o alerta às autoridades.

Ao PÚBLICO, Francisco Rosado confirmou que o bebé estava devidamente “acomodado”, “vestido”, “agasalhado”, com a fralda posta, com a “pele bem tratada”, com a “temperatura normal”, o que indicará que teria sido deixado no local pouco antes. Na cesta, tinha ainda, por exemplo, um “biberão com leite” e tinha a carta. O comandante dos bombeiros pede para deixar um apelo: “Vê-se que há ali amor, carinho, paixão. Queria deixar uma mensagem às famílias com dificuldades: antes de tomarem uma decisão difícil como esta, peçam ajuda às comissões de protecção de crianças e à PSP.”

A carta foi escrita, alegadamente pela mãe, mas como se fosse o bebé a proferir aquelas palavras: “a minha mãe me ama muito a ponto de me entregar para outra família com melhores condições [para] me adoptarem”, lê-se. Mas não só: “Por favor não julguem a minha mãe, ela só está a evitar que eu sofra junto com ela, estamos a passar muitas dificuldades, por isso ela tomou essa difícil decisão, por favor cuidem de mim como um filho de vocês! Só quero amor, carinho”, está ainda escrito. Quem escreveu a nota pede, “por favor”, para não “maltratarem” o bebé que só quer um “lar”.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém diz que ainda não se sabe quem será a família da criança e que as imagens das câmaras de videovigilância da área estarão a ser investigadas. Além dos bombeiros voluntários de Agualva-Cacém, também a PSP esteve no local.

O Centro Social Baptista é, segundo se lê no site da instituição, uma Fundação criada pela Igreja Evangélica Baptista do Cacém para serviço à comunidade.

Notícia actualizada às 17h com declarações do comandante dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém

Sugerir correcção