Em busca do tempo perdido

Isabel Rio Novo atravessa o tecido do tempo para caminhar lado a lado com o pintor Gustave Caillebotte.

Foto
A Autora caminha lado a lado com a sua personagem, o pintor Gustave Caillebotte Nelson Garrido

Quem visita o Art Institute of Chicago deparar-se-á com um quadro de grandes dimensões que nos transporta para uma época e um lugar específico, para uma Rua de Paris em Dia de Chuva. Esta imagem, congelada no tempo, com transeuntes apressados, prédios, o vislumbre de uma caleche, a calçada a luzir de molhada, parece  representar o espírito de todo um século, de toda uma época. E é em Rua de Paris em Dia de Chuva, o romance de Isabel Rio Novo, que a autora recria a vida do autor do quadro, Gustave Caillebotte (1848 — 1894), referindo as suas visões quase fotográficas e imbuídas de um mistério dificilmente discernível. Contemporâneo e amigo de alguns dos mais importantes artistas do século XIX, como Renoir e Seurat, Caillebotte não é um nome imediatamente reconhecido. No entanto, a sua importância, tanto como pintor como coleccionador é incontornável.