Ácidos nucleicos versus vectores virais, duas estratégias distintas de vacinas

Ainda não há no mercado nenhuma vacina de ácidos nucleicos, ao contrário de (algumas) vacinas de vectores virais, como as recentes vacinas para o vírus do ébola.

Foto
Vacina experimental da BioNtech, que se baseia em ácidos nucleicos, mais exactamente em ARN-mensageiro DR

As investigadoras portuguesas Ana Cadete e Marta Germano trabalham em empresas que procuraram dois caminhos inovadores no desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus SARS-CoV-2, muito diferentes das estratégias tradicionais das vacinas. Com uma pandemia como a covid-19, com mais de 13 milhões de infectados pelo mundo e mais de 600 mil mortes, chegou a hora de novas estratégias, como as de ácidos nucleicos da empresa Moderna e de vectores virais da empresa Janssen Vaccines, mostrarem tudo o que valem.