Hamilton domina em Hungaroring e assume liderança do Mundial

Precipitação de Bottas obrigou finlandês a luta intensa para defender primeiro lugar no Mundial, que perdeu por 5 pontos. Verstappen bateu antes da partida, mas assegurou o segundo lugar e segundo pódio do ano.

Foto
Lewis Hamilton LUSA/FIA/F1 HANDOUT

Lewis Hamilton (Mercedes) somou a segunda vitória da temporada - a 86.ª da carreira (a apenas cinco do recorde de Michael Schumacher) - assumindo a liderança do Mundial de Fórmula 1, com 63 pontos (mais 5 do que Bottas), ao impor-se sem mácula, este domingo, pela oitava vez no Grande Prémio da Hungria, que cumpriu em 1h36m12,473s, seguido por Max Verstappen (Red Bull), a 8,702s e Valtteri Bottas, a 9,452s.

Hamilton igualou ainda o máximo de oito vitórias num circuito, detido por Schumacher (Magny Cours).

Antes mesmo da partida, que acabaria por revelar-se dramática para Valtteri Bottas, com o finlandês a avançar antes da luz verde acender e a cair para sexto, batido por Lance Stroll (Racing Point), pelos dois Ferrari e por Max Verstappen, foi o holandês a viver momentos de pura angústia, ao embater nas barreiras quando se dirigia para a grelha de partida.

Os danos na asa dianteira do Red Bull acabaram por ser resolvidos em tempo recorde, permitindo que Verstappen alinhasse sem penalização e mostrasse que não ficou minimamente afectado pelo incidente, saltando do sétimo posto da grelha para um surpreendente terceiro lugar logo na primeira curva.

Mas a pista de Hungaroring tinha muito mais para oferecer. Enquanto Lewis Hamilton se afastava tranquilamente para uma primeira paragem nas boxes menos arriscada, uma apinhada pit lane transformava-se em autêntica lotaria, com praticamente todos os pilotos a trocarem de pneus, à excepção dos Haas.

Verstappen aproveitava para liderar por breves instantes, enquanto o canadiano Nicholas Latifi (Williams) que conseguira um arranque impressionante, tocava a roda de Carlos Sainz (McLaren), no regresso à pista, e sofria um furo que o atirou para o último lugar. Pior, só mesmo Pierre Gasly (Alpha Tauri), que depois de um fim-de-semana terrível, com problemas mecânicos, foi o único a abandonar, com o carro envolto numa nuvem de fumo.

Com um início alucinante, a corrida acabou por acalmar, já com Hamilton de volta à liderança, à frente de Verstappen e de Kevin Magnussen (Haas), que ocupou um lugar de pódio durante seis voltas até Lance Stroll regressar ao top-3. Apesar de também Valtteri Bottas ter recuperado o ritmo e ascendido ao quarto lugar, os dois Haas surpreendiam com o quinto e sexto lugares, à frente de Alex Albon (Red Bull) - em plena retoma da 12.ª posição na grelha - e dos dois Ferrari, que aos poucos resvalavam na geral, com Sergio Pérez igualmente em dificuldades para se manter nos pontos.

A ameaça de chuva mantinha a dúvida na discussão dos pneus mais indicados, embora as nuvens negras acabassem por dissipar-se. Mas antes, Verstappen foi chamado às boxes para uma troca de pneus que o deixou sob pressão de um ataque de Bottas, que detinha a melhor volta e estava a ganhar terreno.

Nas três últimas voltas, depois de ameaçar, Hamilton aproveitou a vantagem de 26 segundos sobre Verstappen para trocar de pneus e alcançar a volta mais rápida, que lhe garantiu um ponto extra, tirado ao colega de equipa.

O Mundial de Fórmula 1 terá a quarta prova em Silverstone, no GP de Inglaterra, dia 2 de Agosto.