UTAD consegue certificação internacional dos sistemas de gestão ambiental e de gestão de energia

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro obteve a certificação nos dois critérios referente a três anos. O objectivo é que a instituição passe a ter um balanço positivo de carbono.

universidade-trasosmontes-alto-douro,utad,vila-real,local,ambiente,
Foto
UTAD

A Agenda 2030 das Nações Unidas inclui 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), objectivos esses que a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) pretende alcançar. O campus da instituição obteve recentemente uma certificação internacional de três anos relativa aos Sistemas de Gestão Ambiental e de Gestão de Energia, que é o culminar da estratégia “Uma Eco Universidade para o Futuro”.

“Trata-se de mais um passo na afirmação da UTAD como instituição que privilegia o uso eficiente de recursos numa perspectiva ecológica e de melhoria contínua dos espaços oferecidos a trabalhadores e estudantes”, explica Amadeu Borges, Pró-Reitor da UTAD para a área do Património e Sustentabilidade, numa nota de imprensa. O também investigador do Centro de Química de Vila Real refere que o financiamento do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos “irá permitir trazer os edifícios, alguns com 40 anos, ao século XXI, em termos de consumo de energia”.

A UTAD é a primeira instituição não-empresarial em Portugal a conseguir estas certificações simultâneas, e teve de passar por um processo longo que “apresentou enormes desafios muito dificilmente encontrados no sector da indústria”, realça Amadeu Borges. O objectivo é que o campus da UTAD, que concentra o maior jardim botânico da Península Ibérica, e que integra mais de 6.500 árvores, possa ter um balanço positivo de carbono.

Durante o período de confinamento, a universidade filmou um vídeo a mostrar as iniciativas implementadas para proteger o ambiente.

Dos 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, a UTAD está a dedicar-se à Água Potável de Saneamento (ODS 6), às Energias Renováveis e Acessíveis (ODS 7), às Cidades e Comunidades Sustentáveis (ODS 11), à Produção e Consumo Sustentáveis (ODS 12), à Acção Climática (ODS 13) e a Proteger a Vida Terrestre (ODS 15).

Relativamente ao consumo de água, houve a instalação de mais de 500 torneiras redutoras do consumo e de sistemas de bombagem mais eficientes. A nível do consumo de energia, verificou-se uma redução superior a 70% nas emissões de gases com efeito de estufa e menos 25% de consumo energético, devido a medidas como o melhoramento das envolventes opacas e das envidraçadas dos edifícios e o investimento nas energias renováveis, com a instalação de 1000 painéis fotovoltaicos e caldeiras de produção de água quente alimentadas com biomassa. Com estas mudanças, a UTAD obteve já certificação para 25 edifícios ao abrigo do Sistema de Certificação Energética dos Edifícios.

A mobilidade foi também uma das prioridades, com a instalação de quatro postos de carregamento de carros eléctricos e com um projecto de criação de uma ciclovia. Foram também desenvolvidos planos de gestão de resíduos, de promoção da separação e de reciclagem de materiais e de gestão de efluentes.

Mais informações sobre as medidas ambientais da UTAD podem ser consultadas no site do Ecocampus.

Texto editado por Ana Fernandes

Sugerir correcção