Torne-se perito

Covid.19: Marcelo realça “ideia” económica e social da Madeira além da gestão da pandemia

Presidente do Governo Regional da Madeira critica centralismo de Lisboa e diz que a região autónoma não admite continuar a ser discriminada pelo Governo da República.

Presidente da República discursou durante uma recpção na autarquia de Câmara de Lobos, na Madeira
Foto
Presidente da República discursou durante uma recpção na autarquia de Câmara de Lobos, na Madeira LUSA/HOMEM DE GOUVEIA

O Presidente da República disse neste domingo ter constatado que há uma “ideia” económica, financeira e social na Madeira, além da gestão da pandemia de covid-19, sublinhando o sucesso das medidas de contenção da doença.

“Parto com o estado de espírito de que eu pude ver no terreno que a forma como foi enfrentado o processo pandémico justifica os resultados obtidos”, afirmou o chefe de Estado, em Câmara de Lobos, onde se deslocou no âmbito de uma visita de menos de 24 horas à região autónoma.

Na freguesia de Câmara de Lobos foi instalada uma cerca sanitária entre 19 de Abril e 03 de Maio, na sequência de uma cadeia de transmissão de covid-19 identificada no bairro social Nova Cidade.

O arquipélago da Madeira teve até agora 93 casos confirmados de covid-19, dos quais apenas três estão activos, e não registou até hoje qualquer óbito devido ao novo coronavírus.

Marcelo aproveitou a oportunidade para elogiar o desempenho da população durante esse período e disse que será “portador” de tudo o que testemunhou na Madeira, vincando que o papel do Presidente da República é o de ter um “exercício de funções” que permita “potenciar o diálogo e as pontes”, bem como a “compreensão daquilo que, por vezes, a distância torna menos compreensível”.

O chefe de Estado falava numa recepção na Câmara Municipal de Câmara de Lobos, após a intervenção do presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, que criticou a falta de solidariedade do Governo da República desde o início da crise pandémica e solicitou que Marcelo Rebelo de Sousa seja o interlocutor da região junto das instâncias nacionais.

“O Governo da Região Autónoma da Madeira precisa de um interlocutor junto do Estado e esse interlocutor tem de ser vossa excelência”, disse.

Miguel Albuquerque, que lidera o executivo de coligação PSD/CDS-PP, revelou que a região mobilizou “todos os recursos” para enfrentar a crise pandémica, mas, apesar do “sucesso” das medidas, não obteve nenhuma ajuda do Estado.

“Estivemos três meses há espera de uma resposta e a única resposta que tivemos foi uma autorização, como se fosse um favor, no Orçamento de Estado [Suplementar] para, com os nossos recursos, contrairmos um empréstimo [de 340 milhões de euros], que irá ser pago com os nossos recursos”, explicou.

Afirmando que a região autónoma não admite continuar a ser discriminada pelo Governo da República, Miguel Albuquerque prometeu combate contra o centralismo. “Nós iremos continuar a nossa luta, se for preciso, e de uma forma bastante contundente para fazer ouvir a nossa voz”, reforçou, vincando que existe uma atitude “inqualificável” e “crescente” de centralismo dos sucessivos governos nacionais, que “põe em causa a própria estrutura constitucional”.

O líder do executivo madeirense acusou ainda o Estado de “denegar responsabilidades” relativamente aos seus territórios autónomos. “Vamos chegar a um ponto em que vão ser criadas tensões que podem levar a uma dialéctica que não interessa a ninguém”, advertiu, evocando a Revolta da Madeira, em 1931, contra o Estado, em consequência do tratamento discriminatório em relação ao arquipélago.

Miguel Albuquerque lamentou que o “portuguesismo” da Madeira seja “posto à prova” todos os dias e apelou Marcelo Rebelo de Sousa para ser o interlocutor da região.

“Contamos consigo, não num sentido paternalista. A Madeira não precisa de ter mais apoio que os outros, a Madeira não precisa de tutores, a Madeira não precisa de favores. A Madeira precisa é que o Estado assuma as suas responsabilidades no quadro constitucional”, reforçou.

O presidente da República realçou, por seu lado, que há uma “ideia de conjunto” na região autónoma para fazer face à crise pandémica.

“Eu pude verificar no terreno que há toda a vontade para manter esses resultados obtidos custe o que custar e melhorá-los à medida que os milhares e milhares de turistas vão chegando e ainda bem que vão chegando”, disse, sublinhando que também ficou a saber quais são os “domínios” em que é “importante” a cooperação entre a região e a República.

“Parto daqui com o quadro completo da situação”, garantiu Marcelo Rebelo de Sousa, que, após o almoço, fez uma breve visita ao bairro Nova Cidade.

Sugerir correcção