John Gallo quer fotografar as famílias que tornaram Viseu o seu lar

De regresso ao trabalho de autor, o fotógrafo propõe um ensaio sobre pessoas que, tal como o próprio John Gallo, fizeram de Viseu o seu novo lar. Todos os interessados se podem candidatar.

Foto
PAULO RICCA / PUBLICO

O fotógrafo John Gallo tem um novo projecto entre mãos. Com financiamento do programa Viseu Cultura (um instrumento financeiro de apoio a projectos culturais independentes) do município de Viseu, “De dentro para fora – Excertos do quotidiano na Cidade Jardim” consiste num ensaio sócio documental sobre o quotidiano dos viseenses. Este ensaio não só será convertido numa exposição, como num livro, possivelmente a apresentar no mês de Outubro.

Mas este projecto tem uma particularidade: não se debruça sobre as famílias viseenses que nasceram e cresceram em Viseu, mas sim sobre as famílias que aí se instalaram, tornando a cidade sua casa – um pouco o que aconteceu com John Gallo, natural de Leiria, que passou grande parte da sua vida noutras cidades e até mesmo países, como o Reino Unido. Apesar disso, desde 2015 que Viseu é o seu lar. “Há uma ligação à cidade, às suas pessoas”, confessa ao P3.

O trabalho, que marca o regresso do fotógrafo ao trabalho de autor, a preto e branco, pretende retratar as pessoas que adoptaram Viseu como a sua cidade neste seu novo “habitat natural: em casa, no trabalho”. John refere-se a comunidades brasileiras e ucranianas que se mudaram para Viseu, explicando que este ensaio constitui “um tributo à paz de uma cidade onde coabitam pessoas com origens diversas, línguas diferentes, hábitos diferentes”.

Quem quiser participar, pode preencher um formulário online, no qual os interessados se podem candidatar. Até agora, John revela que já recebeu mais de uma centena de inscrições e que o próximo passo será “fazer uma triagem”. No entanto, o fotógrafo já sabe que há personagens que terão inevitavelmente de figurar nas suas fotografias, como “a barbeira de Viseu”, uma mulher ucraniana que já ganhou popularidade na cidade, e alguns imigrantes que foram empregados por uma empresa tecnológica.

Em tempos de pandemia, John Gallo considera que este é um ensaio que “traz conforto, traz de volta aquilo que é o lar, a forma como as pessoas chegaram e se integraram”. Mais do que isso, “De dentro para fora – Excertos do quotidiano na Cidade Jardim” é “um testemunho de que Portugal é um país que recebe extraordinariamente”.

Texto editado por Amanda Ribeiro