Novo laboratório vai desenvolver plantas resistentes a doenças e pesticidas biológicos

herbicidas,pragas,alimentacao,ciencia,agricultura,alentejo,
Foto
Miguel Manso

O novo laboratório InnovPlantProtect (InPP), em Elvas, que começou a trabalhar há duas semanas, pretende desenvolver pesticidas biológicos e plantas resistentes a doenças e obter os primeiros resultados dentro de dois anos e meio.

O director do InPP, Pedro Fevereiro, disse à agência Lusa que espera, nesse prazo, ter duas “provas de conceito” de soluções para controlar duas doenças, a da bactéria Xyllela fastidiosa, detectada em plantas como a alfazema mas que afecta também olivais, e a ferrugem-amarela, causada por um fungo que ataca o trigo e outros cereais.

Apesar de estar a funcionar parcialmente, com parte da equipa, em rotatividade, por causa da pandemia da covid-19, o laboratório em Elvas já começou a fazer a colheita de amostras de plantas para estudar “soluções para os problemas”.

O InPP está a desenvolver soluções” também para as doenças fúngicas piriculariose e estenfiliose, que atingem, respectivamente, as culturas do arroz e da pêra-rocha, segundo um comunicado.

Aprovado como laboratório colaborativo (que envolve a associação de várias entidades) em 2018, o InPP só iniciou, na prática, a sua actividade há duas semanas, de acordo com Pedro Fevereiro, biólogo de formação. Além de o trabalho ter ficado condicionado devido à recente pandemia, houve, antes disso, que assegurar instalações, adquirir equipamentos, contratar alguns investigadores, concertar projectos.

O director do InPP estima que o laboratório possa estar a funcionar em pleno no início do próximo ano, depois de feitas todas as obras de remodelação do edifício em Elvas cedido pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), parceiro no InPP, instalados todos os equipamentos e formadas as equipas de investigadores necessárias.

O InnovPlantProtect é uma iniciativa da Universidade Nova de Lisboa (UNL) liderada pelo centro de investigação Green-it do Instituto de Tecnologia Química e Biológica (em Oeiras), em cooperação com outras unidades científicas da UNL.

Gerido por uma associação privada sem fins lucrativos, o laboratório tem como parceiros a Câmara Municipal de Elvas, o INIAV, o Centro de Biotecnologia Agrícola e Alimentar do Alentejo, organizações de produtores de cereais, legumes e frutas e empresas farmacêuticas, de biotecnologia e de sementes e forragens.

O InPP adianta, no comunicado, que pretende igualmente encontrar soluções para controlar as pragas da drosófila-de-asa-manchada, conhecida como mosca-do-vinagre, que ataca frutos, da larva-alfinete (diabrótica), que atinge as raízes do milho, da traça da Guatemala, “cujas larvas constroem galerias nos tubérculos da batata”, e do percevejo-asiático, que tem “causado importantes estragos nas culturas agrícolas na Europa.

O laboratório realça que estas pragas, como as doenças fúngicas e bacterianas mencionadas, “são motivo de grande preocupação”, uma vez que “não existe actualmente nenhuma planta resistente e os pesticidas que as poderiam controlar estão a ser retirados do mercado”, atendendo aos seus níveis de toxicidade e por afectarem insectos e “outros organismos benéficos para o meio ambiente”.

Uma das frentes de ataque do InPP consiste no desenvolvimento de pesticidas biológicos (sem substâncias tóxicas) contra doenças e pragas “para as quais não existem soluções no mercado e que atingem culturas agrícolas em Portugal e noutros países com clima mediterrânico, como as do arroz, tomate, pêra, trigo, milho, vinha e olival.

Numa outra frente, o laboratório vai usar tecnologia de edição do genoma (informação genética) para criar variedades de plantas resistentes a doenças e pragas, “muitas delas” provocadas, segundo Pedro Fevereiro, pelas alterações climáticas. O InPP irá ainda prestar serviços que permitirão seguir a progressão de novas pragas e doenças e criar modelos que ajudem a prever, a diagnosticar e a monitorizar a sua evolução, com base em dados climáticos, de satélite, de solo ou fornecidos localmente pelos agricultores.

O director do laboratório salienta que os agricultores poderão, no caso de “estar previsto o aparecimento de uma nova praga num período próximo”, escolher “a altura mais adequada para o tratamento e a colheita”.

O InnovPlantProtect compromete-se também a desenvolver métodos eficientes de diagnóstico de pragas que aparecem numa determinada exploração agrícola”, uma vertente para qual “ainda existem escassos serviços em Portugal”. No final, a missão do laboratório é aumentar a sustentabilidade do sistema de produção de alimentos com recurso a novas tecnologias, justifica Pedro Fevereiro.

Em Portugal existem 26 laboratórios colaborativos aprovados.

Sugerir correcção