Ferro Rodrigues ao PÚBLICO: “Celebrar o 25 de Abril é dizer que não sairá desta crise qualquer alternativa antidemocrática”

Presidente da Assembleia da República responde ao boicote do CDS e a uma petição que pede o cancelamento das comemorações do 25 de Abril em S. Bento

Foto
daniel rocha

A proposta de comemorações do 25 de Abril foi aprovada no Parlamento com o “apoio dos representantes de 90% dos deputados eleitos” e “será cumprida”, garantiu este sábado ao PÚBLICO o presidente da Assembleia da República (AR), Eduardo Ferro Rodrigues.

“Mais do que em qualquer outro momento, o 25 de Abril tem de ser e vai ser celebrado na AR. A AR não saiu do terreno da vida política democrática com a pandemia, o estado de emergência ou a pressão de saudosistas, antiparlamentares ou seguidores de fake news”, afirmou, acerca das comemorações que vão reunir 77 parlamentares e 50 convidados no próximo sábado.

Segundo Ferro Rodrigues, celebrar o 25 de Abril de 1974 “é também a forma de impedirmos que no futuro a excepção seja glorificada como regra e realidade permanente, de homenagearmos mortos, doentes e os que estão no combate contra este vírus assassino e de dizermos que da crise que vamos continuar a viver não sairá qualquer alternativa antidemocrática”.

O Parlamento “continuará a fazer-se ouvir”, sublinha. “Nestas circunstâncias, a unidade entre órgãos de soberania, o combate aos que promovem petições com números sem credibilidade nem controlo e a defesa da democracia constituem valores fundamentais”, argumenta a segunda figura do Estado.

Este sábado, o líder do CDS anunciou que não irá estar presente na cerimónia por considerar que é contraditória com as medidas de contenção social impostas pelo Governo para combater a covid-19 e uma petição online que pede o cancelamento das comemorações atingiu as 15 mil assinaturas.

Sugerir correcção