Coronavírus: pena de prisão para notícias falsas na África do Sul

O país contabiliza 150 pessoas infectadas com o novo coronavírus.

A África do Sul regista 150 casos de pessoas infectadas com coronavírus
Foto
A África do Sul regista 150 casos de pessoas infectadas com coronavírus LUSA/ISRAEL OPHORI

O governo da África do Sul promulgou esta quinta-feira uma lei que prevê pena de prisão até seis meses para qualquer cidadão que divulgue notícias falsas sobre o novo coronavírus.

A África do Sul contabiliza 150 pessoas infectadas pelo covid-19: é o país mais atingido na África subsariana e este número aumentou cerca de um terço nas últimas 24 horas.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, declarou no domingo o estado de emergência nacional, tendo encerrado os estabelecimentos escolares durante três semanas e proibido a entrada de cidadãos oriundos dos países mais afectados pelo coronavírus. Por este motivo, várias leis foram promulgadas no Jornal Oficial [equivalente ao Diário da República português] na tentativa de impedir a propagação da pandemia.

“As pessoas que publiquem declarações, independentemente do meio e compreendendo as redes sociais, com a intenção de enganar outrem em relação ao covid-19, tornar-se-ão culpadas de um delito passível de uma coima, de uma pena de prisão até seis meses ou ambas”, pode ler-se num dos artigos.

O ministro da Saúde, Zweli Mkhize, afirmou esta quinta-feira que a pandemia está a progredir rapidamente. O novo coronavírus já infectou mais de 235 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 9800 morreram. Até ao momento, nenhuma morte foi registada na África do Sul.

Sugerir correcção