Gilles Lambert/DR
Foto
Gilles Lambert/DR

Francisco deixou os buracos negros — e está em Los Angeles a criar uma app

Francisco Lopes trocou a Engenharia Física pelo desenvolvimento da Link, uma aplicação que pretende conectar criadores de conteúdos em redes sociais. A app é uma espécie de LinkedIn “sobretudo para os grandes criadores de conteúdo” e deverá ser lançada este Verão.

O engenheiro físico Francisco Lopes, de 27 anos, é um de dois portugueses que estão a desenvolver, em Los Angeles, a aplicação Link, para conectar criadores de conteúdos em redes sociais como o TikTok.

O empreendimento justificou uma mudança de carreira do português formado em Engenharia Física pelo Instituto Superior Técnico, onde fez investigação sobre buracos negros antes de partir para a criação de empresas.

PÚBLICO -
Foto
Francisco Lopes DR

“Quando fazia investigação sentia que o meu impacto era muito pequeno”, disse à Lusa o responsável, que se mudou para Los Angeles, nos Estados Unidos, em 2019. Apercebeu-se do potencial dos conteúdos digitais quando lançou o Portal da Sabedoria, uma plataforma de vídeos para ensino à distância, de onde saiu para frequentar um MBA em Stanford, na Califórnia.

“Sempre tive a ambição de ir para os Estados Unidos”, afirmou, explicando que a mudança de Palo Alto para Los Angeles era essencial para desenvolver a Link. “Nunca foi uma hipótese fazer isto numa cidade que não fosse Los Angeles, porque é o hub do entretenimento e para criadores de conteúdo”, acrescentou.

Ainda em fase de pré-lançamento, a aplicação junta criadores para fazerem colaborações e alcançarem audiências mais alargadas, ocupando um espaço que Francisco Lopes e Francisco Schmidberger, o co-fundador que teve a ideia original, consideravam estar por explorar.

“Não há nenhuma plataforma que exista para colaborações neste momento”, afirmou Francisco Lopes. O uso de mensagens directas nas redes sociais existentes “é um processo limitado”, disse, “sobretudo para os criadores de conteúdo grandes”, que recebem muitas mensagens e não têm como fazer triagem.

Os dois fundadores, que abriram escritório em West Hollywood, perceberam que tinham “a oportunidade de ser esse mediador que está a ajudar as pessoas a ganharem acesso a mais criadores e a terem confiança nessa conexão entre criadores de conteúdos”.

Sem planos pessoais de longo prazo, o engenheiro referiu que algumas das vantagens da Califórnia em relação a Portugal é a abertura ao desconhecido, maior diversidade de indústrias e disponibilidade de capital. “As coisas são menos formais. É muito mais fácil fazer negócio por causa disso, mais fácil conectar com pessoas e abrir portas.”

Apesar da popularização do termo “influenciadores”, Francisco Lopes explicou que a Link não está focada nessa designação, normalmente associada a redes sociais como o Instagram. “O que nós acreditamos que é o valor que não está aqui a ser descoberto pelas marcas é que estas pessoas são criativas, são artistas e conseguem criar conteúdo que gera envolvimento de milhões”, afirmou. “Em especial no TikTok, que é muito diferente do Instagram”.

A Link, que está a trabalhar em relações comerciais com marcas interessadas em fazer patrocínios, organiza em Los Angeles eventos semanais de colaboração entre criadores, com um número limitado de convidados. “O mercado é muito maior se começarmos a pensar neles como criadores de conteúdos digitais”.

O foco na rede TikTok, que tem 800 milhões de utilizadores mensais e uma grande proeminência nas gerações mais jovens, deve-se à facilidade de criação de conteúdos e à maior abertura da Geração Z em colaborar, segundo referiu Francisco Lopes.

Até os criadores com milhões de seguidores precisam de crescer, disse, porque este é um espaço muito competitivo. “Um criador de conteúdos é tão bom quanto quão bom for o seu último post e a sua performance”, afirmou.

O responsável disse ainda que Los Angeles “é o sítio” para estar neste segmento. “Muitos destes criadores mudaram-se para cá porque têm ambições de fazerem uma carreira na música, representação, algo mais tradicional no entretenimento e estão a usar o TikTok como uma plataforma para chegarem lá”.

A aplicação Link deverá ser oficialmente lançada no Verão de 2020.