Coronavírus

Pelas ruas desertas de uma Nova Iorque em estado de emergência

Reuters
Fotogaleria
Reuters

Ao longo das últimas semanas temos assistido à redução de pessoas nas ruas de cidades pelo mundo fora. Chegam-nos fotografias de metrópoles absolutamente desertas, como se de um filme de ficção pós-apocalíptica se tratasse. Agora, o isolamento necessário ao combate contra a covid-19 chegou à Big Apple. Segundo a Reuters, até às 14h foram registados 3.807 casos de coronavírus nos Estados Unidos, mais 118 do que ontem. O país já conta com 69 mortes, mas também com 73 recuperados. O estado de Nova Iorque está a ser o mais afectado, com 950 casos e cinco mortes.

Quase dois meses depois do primeiro caso de covid-19 registado nos Estados Unidos, o Presidente Trump declarou, na última sexta-feira, o estado de emergência nacional. A medida vinha a ser amplamente exigida, sendo a resposta de Donald Trump à crise cada vez mais criticada pela comunidade internacional, por especialistas em saúde pública e por políticos, tanto democratas como republicanos. À confirmação de 3807 casos teme-se que se junte muitos mais; as falhas do sistema de testes à população são das principais críticas num país que testou até agora tantas pessoas como as testadas diariamente na Coreia do Sul.

O coronavírus já se propagou por todos os estados — a Virgínia Ocidental permanece o último sem casos confirmados. No entanto, o governador Jim Justice já afirmou que é impossível o vírus ainda não ter chegado ao estado – só ainda não foi detectado. Na quarta-feira, a Administração Trump suspendeu a entrada de viajantes europeus no país por 30 dias (medida a entrar em vigor a partir de sexta). Desta forma, os americanos ainda longe de casa correram para os aeroportos e embarcaram nos últimos voos disponíveis. Isto, juntamente com as medidas de monitorização impostas à chegada, provocou o caos nos aeroportos americanos, temendo-se que a medida tenha ajudado a propagação do covid-19 mais do que a combateu.

O jornal alemão Welt am Sonntag avançou este domingo que Donald Trump terá, também, tentado garantir para o país o direito exclusivo sobre uma potencial vacina contra o vírus. A empresa alemã CureVac está a desenvolver tecnologias novas e terão sido oferecidos pela Administração Trump elevados incentivos económicos. A Reuters noticiou que a vacina experimental poderá estar pronta em Junho ou Julho, podendo a partir de então ser testada em seres humanos mediante autorização. Esta segunda-feira, a BBC noticia que o primeiro teste de uma vacina contra o coronavírus vai ser realizado em Seattle. O grupo de 45 pessoas voluntariou-se para receber as duas doses (com 28 dias de intervalo) desta injecção desenvolvida pela Moderna Therapeutics.

Este domingo, a Casa Branca anunciou que o teste feito ao Presidente deu negativo. Desde Dezembro a covid-19 já infectou 174.119 pessoas e provocou 6.684 mortes em todo o mundo, segundo um balanço avançado pela Reuters esta segunda-feira. Fora da China, os países com números mais elevados são a Itália, o Irão e a Espanha, que subiu recentemente para o quarto lugar. Portugal registou, há poucas horas, a primeira morte num total de 331 infectados.

Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Sugerir correcção