International Board propõe alterações para reduzir “ruído”

FIFA anuncia intenção de rever lei do fora-de-jogo, com o intuito de potenciar futebol positivo. Ainda em estudo, substituição extra.

Foto
Reuters/JOHN SIBLEY

O International Board (IFAB) assumiu a pretensão de implementar alterações relativamente às leis do jogo, mais concretamente no que concerne ao número de substituições e à regra do fora-de-jogo, conforme refere o comunicado emitido por aquele organismo — responsável pelas leis do jogo no futebol — neste sábado reunido em Belfast, na Irlanda do Norte, para a 134.ª gala anual. 

Sem especificar prazos nem acções, reforçando apenas a intenção de encontrar e implementar medidas eficazes no combate ao “assédio aos árbitros” e aos “confrontos físicos excessivos” entre jogadores, o IFAB centra-se na questão do fora-de-jogo. E fá-lo, essencialmente, com o intuito de promover o futebol positivo e beneficiar o espírito de um jogo mais ofensivo e espectacular, esperando poder conseguir inverter a lógica que impera actualmente, conforme tem sublinhado nas mais recentes intervenções o francês Arsène Wenger, antigo treinador do Arsenal e actual chefe de desenvolvimento de futebol da FIFA. 

Numa altura em que as críticas ao VAR sobem exponencialmente de tom em Inglaterra, os membros do IFAB receberam no encontro de Belfast informação actualizada relativamente ao uso generalizado do videoárbitro (VAR), num contexto mais abrangente. Perante esses dados, foram enfatizados os méritos e sucesso do sistema e reforçada a necessidade de aperfeiçoar a sua aplicação prática, especialmente a nível da eficácia das comunicações. 

Numa perspectiva de democratização do VAR, foi ainda sublinhada a importância de encontrar soluções capazes de disponibilizar toda a tecnologia associada ao VAR a campeonatos com fortes restrições orçamentais, tarefa delegada ao grupo de trabalho para a inovação e excelência criado pela FIFA.

No que diz respeito à discussão em torno da lei do fora-de-jogo, que a tecnologia está a levar para o campo da “nano-decisão”, com golos anulados por escassos centímetros, muitas vezes numa estreita e polémica relação com a escolha dos “frames”, o IFAB propõe medidas que resolvam a questão. Para a mesa foi lançada uma primeira medida, sugerindo-se que não seja assinalada qualquer infracção desde que alguma parte do corpo do atacante, com excepção dos membros superiores, esteja atrás ou em linha com o penúltimo defensor.

Ainda na sequência das conclusões do recente congresso do Concussion Expert Group (CEG), no que concerne a substituições extras (em caso de concussão), o IFAB sugere que deverá reunir-se mais informação antes de dar o aval para avançar com uma proposta objectiva a uma eventual alteração à regra, tendo, contudo, a FIFA mostrado interesse em iniciar um período experimental, aproveitando os torneios masculino e feminino de futebol nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020. 

Subjacente à alteração da regra está a ideia de facultar às equipas a possibilidade de efectuarem uma substituição extra caso um futebolista sofra uma concussão devidamente comprovada, através de protocolo específico, pela equipa médica.

Sugerir correcção