Torne-se perito

Cavaleiro tauromáquico João Moura constituído arguido por suspeita de maltratar cães

GNR recebeu denúncia e abriu investigação. Figura da tauromaquia foi ouvida esta quarta-feira no Tribunal de Portalegre.

Cachorro
Fotogaleria
Os agentes da GNR resgataram 18 cães por se encontrarem "subnutridos e sem condições de salubridade" GNR
Fotogaleria
João Moura DR

O cavaleiro tauromáquico João Moura foi detido esta quarta-feira pela GNR, por suspeitas de maltratar cães, e constituído arguido.

A detenção surge na sequência de uma investigação levada a cabo pelo Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (Sepna) da Guarda Nacional Republicana, que foi alertada para o que se estava a passar na herdade que esta figura da tauromaquia portuguesa tem em Monforte pelos colegas de Portalegre. Os guardas, que se fizeram acompanhar por um veterinário, apreenderam 18 galgos que se encontravam com sinais de subnutrição. Vários outros animais foram deixados na herdade, por não apresentarem indícios de maus tratos. Aqueles que se encontravam subnutridos ficaram aos cuidados do canil municipal de Monforte. 

PÚBLICO -
GNR
PÚBLICO -
GNR
Fotogaleria
GNR

As suspeitas surgiram depois de alguns galgos se terem soltado e de terem ido parar à estrada. Quando foram devolvê-los os elementos da GNR repararam que o estado de magreza alguns deles inspirava preocupação. O veterinário municipal confirmou nesta quarta-feira que, apesar se tratar de uma raça magra, estes 18 animais estavam abaixo de um peso aceitável. 

Depois de ter sido momentaneamente detido, João Moura foi submetido a interrogatório por parte do Ministério Público no Tribunal de Portalegre. O cavaleiro tauromáquico - que o PÚBLICO não conseguiu contactar até ao momento — é criador desta raça de cães. Ouvido pelo blogue tauromáquico Farpas, o arguido desvalorizou o episódio: “Tinha lá uns cães mais magros e alguém denunciou isso, mais nada”. A figura da tauromaquia nega ter submetido os animais a maus tratos: “Agora vão instruir o processo e vai seguir para a frente. Já prestei as minhas declarações e estou em casa tranquilo e com a consciência tranquila. Não matei ninguém, não roubei ninguém, não tratei mal os meus cães. Alguns estavam magros, mas não os tratei mal”.

Há vários anos que João Moura é adepto das corridas de galgos. Quando, em 2010, teve uma cadela a vencer um prémio de relevo em Espanha afirmou que essa vitória era “tão importante como, no campo tauromáquico, sair em ombros pela porta grande de Madrid”. Trata-se de uma actividade controversa. No Verão passado os grupos parlamentares do PAN e do Bloco de Esquerda tentaram proibi-la, mas esbarraram na oposição dos restantes partidos. Argumentavam que as corridas de galgos envolviam treinos violentos, com a utilização de coleiras electrificadas com pequenos choques infligidos por controlo remoto aos cães menos rápidos e que era comum o uso de esteróides para melhorar o seu desempenho.

Entretanto, esta quinta-feira, a GNR divulgou fotografias dos animais e avançou que estes foram recolhidos pela Câmara Municipal de Monforte e que vão agora receber cuidados veterinários.

Depois do chumbo a associação SOS Animal lançou uma Iniciativa Legislativa dos Cidadãos (ILC) para pedir multas e penas de prisão até dois anos para quem organiza, auxilia ou participa em provas ou campeonatos onde os cães competem. “O que está em causa é (...) sofrerem maus tratos antes, durante e após as corridas, serem abandonados ou encarcerados e forçados a dar sangue o resto da vida, ou mesmo abatidos quando já não servem este propósito de entretenimento humano”, dizia esta associação de protecção animal. Mas a petição não conseguiu reunir as 20 mil assinaturas necessárias para que o tema voltasse a ser discutido no Parlamento, embora não tenha ficado longe desse objectivo.

Sugerir correcção