Unsplash
Foto
Unsplash

Megafone

Queres saber quais as marcas de roupa que exploram crianças?

Se visses as crianças a fabricar os teus sapatos na Birmânia, os trabalhadores debaixo da fábrica colapsada no Bangladesh ou os derrames dos químicos das fábricas têxteis nos rios, tu não compravas.

As roupas que tu compras: umas são feitas por crianças exploradas, outras não. Umas têm boas medidas de protecção do ambiente e dos animais, outras não. Mas será que essa informação vai mudar a nossa forma de comprar roupa?

Nós estamos habituados a olhar para montras e cabides com duas perguntas na cabeça: Quanto custa? Fica-me bem? Não nos assalta que a indústria da moda é das mais poluentes do mundo, a repressão violenta aos protestos dos trabalhadores das fábricas de roupa no Bangladesh, as condições (às vezes mortíferas) dessas mesmas fábricas de roupa, a onda de suicídios dos agricultores indianos por motivos ligados às patentes das sementes de algodão geneticamente modificado ou mesmo o sofrimento de milhões de animais ligado à indústria da moda.

Mas há alguma evidência que sugere que nós preferimos marcas que têm um bom impacto na sociedade e ambiente, além de que costumamos seguir o nosso grupo quando escolhemos o que comprar. Tendo isto em conta, uma possível solução parece surgir para uma indústria de moda mais ética e sustentável: informar os consumidores, dizendo-lhes que marcas são mais éticas. E torná-lo moda.

Há uma aplicação que nos diz precisamente quais as marcas que protegem os trabalhadores, o ambiente e os animais. Chama-se Good on you e é de borla. Não ganho absolutamente ao escrever sobre ela, mas no fim de contas ganhamos todos.

Esta app avalia as marcas em três domínios: pessoas, ambiente e animais. Diz se há trabalho infantil, trabalho forçado, segurança dos trabalhadores, liberdade para se sindicalizarem e pagamento de salários decentes. Se são utilizadas peles de animais e outros “produtos” semelhantes e se são contra os direitos dos animais. Se têm sistemas para minimizar desperdício de energia, de água, de emissões de carbono, etc. Avalia tudo isto utilizando sistemas de certificação e sistemas independentes de avaliação.

E o que é que tu tens a ver com isto? O mundo está todo ligado. O que tu compras no centro comercial fez uma viagem até chegar a ti, desde a recolha da matéria-prima, à confecção, exportação e ao transporte. Nem sempre é fácil de o compreender. Porque é difícil imaginar o que nunca vimos (eu nunca vi as crianças na Turquia a apanhar avelãs 12 horas por dia que depois vão parar ao meu crepe com Nutella) e porque as gerações anteriores provavelmente compravam produtos que “viajavam” muito menos — o vendedor conhecia o agricultor ou a costureira, o peixeiro conhecia o pescador.

E assim vamos colidir com alguns conceitos importantes: distância e empatia. Se visses as crianças a fabricar os teus sapatos na Birmânia, os trabalhadores debaixo da fábrica colapsada no Bangladesh ou os derrames dos químicos das fábricas têxteis nos rios, tu não compravas. Se fosse em Coimbra, Setúbal ou Bragança, em vez de ser na Eritreia, Sudão ou Congo, tu não compravas. Mas nós não vemos tão longe, e há tanta informação — e tanta desinformação.

Por isso, temos de activamente procurar ferramentas para ver. Descarregar uma app para escolher uma nova loja. Se tu começares, pode virar moda.