Estarreja propõe escola de construção naval para manter técnicas tradicionais

Apenas três mestres ainda trabalham em estaleiros tradicionais.

Foto
Nelson Garrido

O presidente da Câmara de Estarreja, Diamantino Sabina, revelou nesta terça-feira que pretende envolver os municípios vizinhos da Murtosa e de Ovar na criação de uma escola de construção naval.

Diamantino Sabina falava na assinatura do protocolo para a constituição da Estação Náutica de Estarreja, que envolve a Câmara e 36 entidades públicas e privadas, com o objectivo de promover as actividades náuticas e o turismo a elas associado.

Segundo o autarca, apesar de Estarreja não ser um Município de costa atlântica, a inserção de Estarreja na rede de estações náuticas justifica-se por ser um concelho ribeirinho da Ria de Aveiro.

Por outro lado, considerou, a rede de estações náuticas vai facilitar a criação de uma escola de construção naval, a localizar em Pardilhó, com o objectivo de evitar que se percam técnicas ancestrais de construção de barcos em madeira.

Trata-se de um valor cultural e de potencial turístico a que importa dar continuidade e que está em risco, já que hoje apenas três mestres ainda trabalham em estaleiros tradicionais, vincou o autarca.

A Câmara Municipal assinou hoje o protocolo com associações, juntas de freguesia, alojamentos locais, empresas, artesãos e construtores navais para a constituição da Estação Náutica de Estarreja, que passam a estar envolvidos na definição da estratégia e do programa de iniciativas, actividades e serviços náuticos a disponibilizar, “comprometendo-se a dar um contributo concreto e relevante para a implementação dessas acções, que integrarão o Plano de Acção da Estação de Estarreja”.

“O Município tem vindo a apostar na preservação das tradições, das memórias e das actividades ligadas à Ria, criando produtos turísticos ligados ao Turismo de Natureza e Náutico”, refere a autarquia, realçando o potencial do concelho para as actividades náuticas e o turismo de natureza, de que é exemplo o projecto BioRia, por onde passam anualmente mais de 30 mil visitantes.

Com o protocolo hoje assinado pretende-se criar uma rede de oferta turística, organizada a partir da valorização integrada dos recursos náuticos que inclui a oferta de alojamento, restauração, actividades náuticas e outras actividades e serviços.

A Estação Náutica de Estarreja teve a sua certificação aprovada no âmbito da candidatura do Município de Estarreja apresentada à Fórum Oceano - Associação de Economia do Mar.

Sugerir correcção