“Vergonha”, “300 mil euros”: escultura de Pedro Cabrita Reis vandalizada em Leça da Palmeira

Inscrições contra a obra foram pintadas nas vigas de ferro que compõem A Linha do Mar, assim como o símbolo de um tridente, que o autor associa a grupos de extrema-direita. A escultura será restaurada durante a semana.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

A escultura A Linha do Mar, de Pedro Cabrita Reis, recém-inaugurada junto ao Farol da Boa Nova, em Leça da Palmeira, surgiu este domingo vandalizada. O autor atribui o incidente à extrema-direita, que, diz, escolheu usar a sua obra como “pedra de arremesso”.

Pintadas nas vigas de ferro que compõem a obra surgem agora as palavras “vergonha”, “300 mil €”, “os nossos impostos” e “isto é Leça”, assim como o símbolo de um tridente, que Pedro Cabrita Reis aponta ser “transversal a grupos de extrema-direita na Europa”. “Não é um vandalismo contra a minha escultura, é uma manifestação de extrema-direita”, afirma o artista plástico ao PÚBLICO, por telefone. 

Cabrita Reis descreve o conjunto escultórico como um “local de congregação, de partilha”, onde as várias pessoas que passam pela marginal podem sentar-se e aproveitar o “enquadramento extraordinário” da proximidade com o mar. Considera o acto de vandalismo uma “manifestação provocatória de arruaceiros de extrema-direita”, que fizeram-se valer da escultura “para usar como pedra de arremesso”. Acredita mesmo que a provocação é “mais do que à câmara municipal, mas com os intuitos típicos de uma cultura de ódio, populista”, que, afirma, caracteriza as acções destes grupos “que vivem claramente em roteiro de colisão e de confronto com a sociedade democrática e que, lamentavelmente, agora até têm uma voz na Assembleia da República”.

Contactada pelo PÚBLICO, a PSP de Matosinhos remeteu para segunda-feira eventuais esclarecimentos sobre o incidente. Pedro Cabrita Reis adianta que no máximo até quarta-feira a escultura será restaurada pela autarquia e “disponível na sua versão original”. 

A obra tinha sido inaugurada no dia 15 de Dezembro, de acordo com o site da Câmara de Matosinhos. Composta por cinco conjuntos de vigas de ferro HA400, é descrita pela câmara como “apresentando uma nova perspectiva sobre a linha de horizonte do mar e sugerindo diversas interpretações através da forma e geometria e da sua sobreposição com o oceano”. Está situada na Avenida da Liberdade, na marginal desenhada pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira.

A presidente da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, já comentou o incidente. Na sua página do Facebook, escreve que “Matosinhos acordou hoje com mais um acto de vandalismo”, ressaltando que, “infelizmente, não é nenhuma novidade”. Sublinha, contudo, que “a política cultural é determinante para combater a intolerância”, sendo por isso “decisivo continuar a investir nesta área, como a Câmara Municipal de Matosinhos tem feito nas últimas três décadas”.

“Evidentemente que o investimento na cultura está longe de ser consensual e é perfeitamente respeitável que as pessoas tenham a opinião de que esta não seja uma responsabilidade do Estado, privando o seu acesso à classe média e baixa”, afirma a autarca, notando que “existem diversas formas legais, democráticas e menos lesivas do nosso património comum para evidenciar essa opinião”. Remata ainda: “A diversidade de opiniões, a discussão de ideias antagónicas e a tolerância terão sempre lugar em Matosinhos”.

No total, o trabalho custou à Câmara de Matosinhos 307.500 euros, segundo informações do contrato disponíveis no portal dos contratos públicos BASE

Pedro Cabrita Reis (n. 1956) é um dos mais importantes artistas contemporâneos portugueses. Actualmente, expõe em Serralves a extensa instalação Cabrita - Um Olhar Inquieto (A Roving Gaze).

No ano passado, uma obra do artista plástico inaugurada em 2001 em Santo Tirso também foi vandalizada. Segundo a autarca de Matosinhos, Luísa Salgueiro, outras esculturas são sucessivamente vandalizadas no município, como a obra conhecida como “anémona”, de Janet Echelman, ou o conjunto escultórico Dois Gémeos, de Julião Sarmento.