Na Aldeia Viçosa, há quatro séculos que chovem castanhas no Magusto da Velha

Aldeia do concelho da Guarda volta a cumprir a tradição, que será “única no mundo”: logo a seguir ao Natal, há vinho em terra, 150kg de castanhas assadas lançadas pelos ares a partir da torre da igreja. E já se fala em candidatura a Património da Humanidade.

Fotogaleria
O Magusto da Velha: castanhas lançadas para todos a partir da torre do sino da igreja de Aldeia Viçosa DR
Fotogaleria
Magusto da Velha DR
Fotogaleria
Magusto da Velha DR
Fotogaleria
Magusto da Velha DR
Fotogaleria
Magusto da Velha DR
Fotogaleria
Magusto da Velha DR

Depois do Natal, o Magusto da Velha, uma tradição considerada única no mundo e que a junta de freguesia pretende candidatar a Património Imaterial. Em Aldeia Viçosa, há mais de quatro séculos que se cumpre esta tradição: dia 26 assam-se castanhas depois do almoço. Com uma particularidade: são lançadas da torre sineira da Igreja Matriz.

Cá em baixo, junto ao madeiro ainda fumegante, a população colhe-as enquanto saboreia o vinho oferecido e as torradas cumprimentadas pelo azeite local, com artesanato e animação musical a acompanhar.

Tudo em honra de uma benfeitora desta freguesia da Guarda. Antes do magusto, vale a pena passar com a família pela sede do concelho, onde está a funcionar até 25 de Dezembro a Cidade Natal, com a sua árvore de 12 metros de altura abeirada de uma pista de gelo, um carrossel ao estilo parisiense, um mercadinho e a casa do Pai Natal.

O Magusto da Velha remonta ao século XVII e terá origem numa doação feita por uma mulher abastada, cujo nome se desconhece, para que os habitantes daquela localidade pudessem comer castanhas e beber vinho uma vez por ano.

“No dia 26 de Dezembro vamos novamente cumprir a tradição - como eu costumo dizer, cumprir a obrigação. Esta obrigação que já é secular, já tem mais de quatro séculos, em que o povo tem de recordar o gesto benemérito de uma velha que ofereceu as castanhas e o vinho”, disse à agência Lusa o presidente da Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa, Luís Prata.

O programa da iniciativa, que promete “um dia de festa e de envolvimento da população”, inclui também actividades de animação, o lançamento de castanhas e de rebuçados (para as crianças) do cimo da torre da igreja e a degustação de pão torrado com azeite, entre outras iniciativas.

O evento, que é único no país e está devidamente documentado, “poderá dar muito à cultura e ao turismo do concelho da Guarda”, considerou Luís Prata.

A Junta de Freguesia ambiciona mesmo inscrever a tradição no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, tendo já manifestado essa intenção junto da Câmara Municipal da Guarda, no âmbito da candidatura da cidade a Capital Europeia da Cultura 2027. “Estamos piamente convictos de que a candidatura do Magusto da Velha a Património Imaterial da Humanidade poderá também beneficiar este desiderato do município”, disse.

Luís Prata considera que a tradição de Aldeia Viçosa “merece” ser reconhecida: “É um evento que existiu, que se repete todos os anos, que simboliza só coisas positivas. Não há, no mundo, outra coisa igual. Há documentos que comprovam os factos”.

Segundo o autarca, o Magusto da Velha, organizado pela junta e pela autarquia, tem origem na herança que é mencionada no “Livro de Usos e Costumes da Igreja do Lugar de Porco [antiga designação de Aldeia Viçosa] - Ano de 1698”. “Desde então, o povo tem organizado esta festa que recorda o gesto benemérito de quem deu de comer aos pobres em plena época medieval, uma época caracterizada por fomes, guerras e doenças”, acrescentou o responsável.

Ainda hoje, a Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa recebe uma renda anual perpétua de “cerca de 12 cêntimos de euro”, que é “meramente simbólica”.

Na quinta-feira a tradição volta a ser cumprida, a partir das 14h30, com uma missa pela alma da “velha”, seguindo-se, às 15h, o cortejo das castanhas e do vinho. As castanhas (150 quilos) são içadas para a torre da igreja e depois atiradas para cima das pessoas que assistem.

Sugerir correcção