Miguel Manso

Clima: habitantes dos estuários do Tejo e Sado em risco de perder tudo

Implicações da subida do mar vão ser “particularmente disruptivas” para as populações ribeirinhas e as ondas de calor serão o maior impacto na saúde. Grandes projectos previstos para a região arriscam-se a ficar debaixo de água.

Os impactos decorrentes das alterações climáticas na Área Metropolitana de Lisboa vão sentir-se sobretudo nas zonas costeiras e nos estuários dos rios Tejo e Sado, onde as respectivas populações vão ter de aprender a conviver com cheias mais frequentes, diz estudo metropolitano concluído agora. As consequências mais relevantes para a vida das populações serão as mudanças nas zonas ribeirinhas e os problemas de saúde decorrentes das ondas de calor. Mas se estas são zonas consolidadas antes destas previsões, já os projectos de milhões previstos junto à água deveriam ter em conta a probabilidade de ficarem inundados.