Segunda Circular vai estar em obras durante um ano

A obra vai implicar constrangimentos ao trânsito, durante a noite e aos fins-de-semana.

Avenida Marechal Craveiro Lopes
Foto
Nuno Ferreira Santos

A câmara de Lisboa vai repavimentar a Segunda Circular, a partir de meados de 2020. A recuperação da via rápida irá demorar cerca de um ano e terá um custo acima dos quatro milhões de euros.

O projecto foi anunciado pelo presidente da autarquia, Fernando Medina, em entrevista à RTP3 esta segunda-feira. “A câmara vai avançar já em Dezembro com o concurso para a repavimentação integral da Segunda Circular. No fundo, este atraso tem uma explicação. A Segunda Circular não é uma via que se chegue e que se tape uns buracos como em qualquer outra rua ou avenida”, explicou Fernando Medina.

Além da aplicação de uma nova camada de asfalto na estrada, as obras vão incluir ainda a pintura de sinalização horizontal. No entanto, não estão previstas alterações na circulação.

As obras vão implicar constrangimentos ao trânsito, durante a noite e aos fins-de-semana, segundo avançou fonte oficial da CML ao jornal ECO — nesses períodos será cortada a faixa que estiver a ser reparada.

O atraso na recuperação daquela que é uma das principais artérias de Lisboa estará relacionado com a avaliação de um projecto para a colocação de um corredor para transportes públicos na A5 — que iria exigir outro tipo de obras na Segunda Circular. Contudo, esta hipótese acabou por ser descartada devido à falta de “entendimento com o Estado relativamente à renegociação da concessão da Brisa que permitisse fazer algo que o próprio Presidente da câmara de Cascais já várias vezes anunciou, que era ter um corredor Bus dedicado que ligasse a A5 a todo o sistema da Segunda Circular”, justificou Medina.

Segundo o presidente da CML, a manutenção da estrada é uma obra que terá apenas alguns anos de validade, não sendo, por isso, uma obra de grande fundo, mas implicará um investimento “sempre superior a quatro milhões de euros”.