açougueiro
LUSA/NUNO VEIGA

Como é trabalhar num matadouro? “Esquecer que o animal tem sentimentos” é crucial

Depois de estudar as representações dos animais na cultura mediática, o sociólogo Rui Pedro Fonseca debruçou-se sobre as relações entre animais e humanos num contexto de abate. Os trabalhadores dos matadouros portugueses são sobretudo homens, com “dores crónicas” e forçados a “não pensar” sobre o que fazem.

Que tipo de relação existe entre os animais e as pessoas que trabalham nos matadouros onde os primeiros são abatidos? E quem são estas pessoas, tantas vezes forçadas a “esquecer que o animal tem sentimentos” para poderem desempenhar o trabalho que lhes compete? Foi a pensar nas possíveis respostas a estas questões que Rui Pedro Fonseca se dedicou a estudar os centros de abate portugueses. Mas esta não é a primeira vez que tenta entrar no “mundo praticamente impenetrável” dos matadouros nacionais. Há um ano publicou o livro A Vaca Que Não Ri – Animais, “Carne” e Leite Bovino na Cultura Dominante, no qual desvendou alguns dos segredos mais bem guardados da indústria agro-pecuária. Abordou questões como a aplicação de métodos violentos durante o abate animal, a escolha de terrenos longe dos grandes centros urbanos para albergar matadouros e o uso de termos falaciosos para nomear partes do corpo do animal que geralmente são comercializados (e publicitados) pela indústria alimentar.

Segredos que, para o sociólogo, não são mais do que estratégias da mesma indústria para evitar reflexões e dilemas éticos por parte do cidadão comum – muito em linha com o ditado “longe da vista, longe do coração” – que poderiam desencadear uma crise no sector. Agora, Rui Pedro Fonseca centrou-se naqueles que conhecem, efectivamente, a realidade dos centros de abate e a experienciam todos os dias: os trabalhadores responsáveis por desempenhar tarefas como atordoar, electrocutar, golpear e desmanchar bovinos, suínos, ovinos — ou “o que for preciso”. Esforçou-se por conhecer “as práticas”, as “atitudes destes indivíduos quando em contacto com os animais” e as “formas de organização social na linha de abate”. Os resultados podem ser conhecidos no novo estudo 120 em 60: Práticas e atitudes de trabalhadores para com animais num matadouro, publicado na revista Sociologia — Problemas e Práticas.

Nele, o autor começa por analisar algumas características daquele contexto laboral, nomeadamente “a complexa divisão sexual do trabalho”. No matadouro que serviu de base ao estudo (não identificado por motivos de segurança), “a presença de homens é claramente dominante”: dos 20 indivíduos que trabalham na linha de abate, 19 são homens — a única mulher desempenhava tarefas na “triparia” e encontrava-se a substituir o marido, lesionado devido a um acidente de trabalho.

Rui Pedro aponta duas justificações para estes números. A primeira prende-se com os “riscos” associados ao manuseamento de “equipamentos pesados”, como os que existem nos matadouros, que, por exigirem mais força física, são operados predominantemente por indivíduos do sexo masculino. Para as mulheres ficam reservadas tarefas “na cozinha e relacionadas com a limpeza” do espaço. A segunda, mais complexa e fora do âmbito do volume de trabalho, baseia-se na perpetuação de “papéis de género tradicionais”, típicos de “contextos domésticos do interior ou da periferia”. Neste quadro, a matança do animal (principalmente os de maior porte) foi, durante muitos anos, um acto associado a uma “forma de conquista” e “afirmação de um tipo de modelo de masculinidade”. As entrevistas realizadas durante o estudo parecem comprovar esta tese. “Todos os trabalhadores (homens) inquiridos da ‘linha’, com excepção de um, foram incentivados na infância, por outros homens, pela observação directa e pela prática, a lidar com o abate”, pode ler-se no documento.

Para além desta familiarização, “indiferença, objectificação e desapego” revelam-se palavras de ordem neste contexto laboral. “Esquecer que o animal tem sentimentos” ou “não pensar” é crucial para que o trabalhador, muitas vezes equipado com objectos cortantes, consiga cumprir as tarefas que lhe estão designadas sem que, por força de uma distracção, a sua integridade física seja posta em causa por um golpe mal aplicado, por exemplo – o que também iria representar um sofrimento acrescido e prolongado para o animal. Rui Pedro conclui que esta constante racionalização “facilita a execução de tarefas relacionadas com o abate”, mas também “permite atenuar algum desconforto cognitivo, moral, emocional” que o trabalhador possa “experienciar”. Ainda assim, outras características deste contexto laboral – impostas pelas exigentes metas produtivas do sector – parecem contribuir para que estes métodos de “distanciamento” resultem de forma ainda mais eficaz.

Em alguns casos, desde que é descarregado até ao momento em que chega à última fase da linha de abate, um animal permanece vivo durante “algumas horas”; noutros, este período de tempo encolhe para minutos. Daí que cada trabalhador, de acordo com o seu posto, esteja apenas breves segundos com cada um deles. Isto, juntamente com o número elevado de animais que dá entrada diariamente nestes espaços – em “lotes” –, impede qualquer “tratamento mais individualizado” entre trabalhadores e reses, o que poderia originar “relações de afecto”.

No entanto, o elevado volume de trabalho numa actividade assente em movimentos “repetitivos e monótonos”, praticados durante longas jornadas laborais, acarreta riscos – assim como o “‘maneio’ de animais vivos” de grande porte com “comportamentos imprevisíveis”. Os trabalhadores estão cientes das contrapartidas (que se manifestam frequentemente em “dores crónicas nas mãos, pulsos, braços, ombros e costas”), por isso apostam na “troca de posições na ‘linha’” para as reduzir. Quando um trabalhador não é capaz de desempenhar a tarefa que lhe foi designada é rapidamente substituído por outro, de forma a não prejudicar a eficiência produtiva e económica que a doutrina “essencialmente comercial” do sector exige.

Recorrendo novamente a dados do matadouro analisado, ali podem ser abatidos 120 animais em 60 minutos, um número possível graças à união da mão-de-obra humana com a maquinaria. No fim de 2018, o espaço em questão contava mais de 40 mil animais abatidos, o que deu origem a um volume de negócios na ordem dos seis milhões de euros. Estes números não surpreenderam o autor do trabalho, que consegue estabelecer uma relação com as “estatísticas inerentes ao consumo”. Por isso, não tem dúvidas que em Portugal existem “matadouros com números muito superiores”.

Numa realidade composta por violência, sofrimento e morte, utilizar o termo “bem-estar” pode parecer descontextualizado. Ainda assim, no centro de abate que serviu de base ao trabalho de campo realizado por Rui Pedro, duas trabalhadoras do departamento de qualidade são responsáveis por “monitorizar o bem-estar animal”. O que está verdadeiramente em causa, para o sociólogo, são medidas “que atenuam o sofrimento, já que “bem-estar não existe nenhum” – um eufemismo que apenas serve para “legitimar as práticas em vigor”. “Qualquer pessoa que vá a um matadouro ou a um sistema de produção de animais não humanos pode observar isso e os trabalhadores com quem estive confirmam-no”, contesta. Os mesmos trabalhadores que conseguem identificar nos animais prestes a abater sinais de desconforto e desespero, como “choro” e “berros” no caso dos bovinos e suínos, respectivamente – “prova de que estes sabem o que lhes vai acontecer”.

Por ser uma profissão que não está ao alcance “de qualquer pessoa” e pela “extinção do modelo de masculinidade que encara e incentiva o abate”, Rui Pedro considera que será “cada vez mais difícil encontrar pessoas para fazer o serviço”. Essa dificuldade, aliada à alteração de práticas de consumo e de mentalidades, resultantes “da presença mais frequente, no espaço mediático, das questões ambientais”, poderá representar o grande desafio futuro de uma indústria olhada cada vez com mais desconfiança por parte dos consumidores.