Iranianos protestam nas ruas contra o regime e a subida dos combustíveis

Há manifestações em várias cidades e ouvem-se palavras de apoio a um partido no exílio que tem como líder um descendente do Xá da Pérsia.

Foto
Além da subida do preço dos combustíveis, foi imposto um racionamento ABEDIN TAHERKENAREH/EPA

As autoridades iranianas subiram o preço dos combustíveis, em alguns casos até 300%, como forma de compensar a falta de rendimentos da venda do petróleo, que diminuíram por causa das sanções norte-americanas, e impuseram um regime de racionamento. O resultado foi o disparar dos preços dos bens de consumo em apenas 24 horas – e em várias cidades, milhares de manifestantes saíram à rua para protestar e gritar “morte a Khamenei” [o Guia Supremo do regime] e “ditador, sai do Irão”.

O chefe de gabinete do Presidente Hassan Rohani anunciou que a decisão foi tomada numa reunião do Conselho de Cooperação Económica, com o consenso dos três poderes – não foi, de forma alguma uma decisão apenas do Governo, sublinhou.

Os aumentos foram anunciados durante a noite, o que sugere que o Executivo temia uma reacção violenta da população, o que se confirmou. Começaram a surgir relatos e vídeos de protestos no Twitter, vindos de várias cidades, como Mashhad, a segunda maior cidade iraniana, no Nordeste, ou Shiraz, no Sul.

Segundo alguns analistas nas redes sociais, muitos dos manifestantes são apoiantes de Reza Pahlavi, que será o último herdeiro ao extinto trono imperial da Pérsia. Embora exilado, lidera um grupo de oposição ao regime iraniano, o Conselho Nacional do Irão, com uma presença forte na Internet.

Em algumas cidades há estradas a serem bloqueadas, resistindo à repressão das forças de segurança – pelo que se percebe dos vídeos colocados na Internet. As agências de informação e meios de comunicação ocidentais não têm liberdade de movimentos no Irão.

No fim de 2017 e início de 2017, o Irão foi também abalado por uma vaga de manifestações contra o custo de vida, que se julgarem terem começado como uma manipulação feita pelos ultraconservadores do regime contra o Presidente Hassan Rohani, mas que acabaram por se generalizar e transformar-se num protesto contra o ayatollah Ali Khamenei.