Imagem da residência Alberto Amaral, também para estudantes da UP.
Foto
Imagem da residência Alberto Amaral, também para estudantes da UP. Nelson Garrido

Estudantes de Letras da Universidade do Porto querem cozinha em residência

A residência universitária José Novais Barbosa, no Porto, não tem cozinha — o que obriga os alunos a usarem os micro-ondas ou a comerem sempre na cantina ou nos restaurantes da zona.

A Associação de Estudantes da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (AEFLUP) defende a construção de uma cozinha para os alunos da residência universitária José Novais Barbosa, num edifício independente, mas a instituição diz não haver “hipóteses”. Numa nota publicada na sua página oficial, a direcção da AEFLUP refere que os alunos a viverem nesta residência não têm acesso a uma cozinha para confeccionarem as suas refeições, vendo-se “obrigados” a recorrer à cantina, cuja “qualidade da oferta não acompanha o aumento anual dos preços”.

Além da cantina, as outras hipóteses passam por utilizarem os micro-ondas — que, devido ao elevado uso, sofrem um desgaste acelerado — para refeições de “fraca qualidade nutricional” ou irem a restaurantes nas imediações, “sujeitando-se” aos preços lá praticados, adianta.

“Mesmo que os estudantes disponham de equipamentos que lhes permitam cozinhar na residência, as instalações eléctricas do edifício não suportam o seu funcionamento. Além disso, segundo o artigo 15.º do Regulamento das Residências Universitárias dos SASUP é “proibida a confecção de refeições nas residências que não possuem cozinha e equipamentos apropriados para esse efeito”, o que impossibilita este tipo de alternativas”, sustenta.

A associação de estudantes esclarece que, no passado, lhes foi dito que é impossível instalar uma cozinha na residência universitária, concebida apenas para os alunos dormirem, devido aos “elevados custos” que uma intervenção dessas implica. Por esse motivo, e como alternativa, a AEFLUP propõe a construção de uma cozinha, mas num edifício independente do actual.

Além disso, a associação defende a criação, num curto prazo, de uma tarifa especial de preço reduzido na cantina de Letras para os residentes nesta residência. Em resposta à Lusa, a Universidade do Porto garantiu que “não há hipótese” de instalar cozinhas na residência “sem mudanças significativas na estrutura do edifício e, principalmente, sem reduzir o número de quartos disponíveis, o que nesta altura é precisamente o contrário do que é desejável”.

“A inexistência de cozinhas nesta residência não é, aliás, fruto do acaso: tratou-se de uma decisão que teve em conta a maximização do número de quartos a disponibilizar e o facto de no rés-do-chão desse mesmo edifício funcionar uma cantina também gerida pelos SASUP [Serviços de Acção Social da Universidade do Porto] que serve almoços e jantares a preços sociais (2,7 euros por refeição para todos os estudantes), durante os sete dias da semana.”

A instituição adianta que este preço é tabelado pelo Estado para todas as cantinas do ensino superior, pelo que será difícil estabelecer outro valor em específico para os residentes daquela cantina.