Naturcôa: fotografia e sustentabilidade de mãos dadas no Sabugal

Um evento dedicado à fotografia e à natureza em que o dinheiro angariado será usado na compra de carvalhos-negral para ajudar a reflorestar as áreas ardidas do Sabugal. De 1 a 3 de Novembro, há conferências, exposições, workshops e um passeio.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
Museu do Sabogal, onde estarão as exposições e onde decorrerá as conferências. DR

Perto da Serra da Estrela e onde nasce o Rio Côa, “a crescente baixa densidade populacional” acabou por fazer com que “os campos, antes cultivados”, dessem “lugar a vastas florestas e matas, (re)criando uma biodiversidade de valor diferenciador e inestimável”. É este património natural que o Naturcôa pretende divulgar, de forma a potenciar o turismo e sustentabilidade da região. O evento que interliga a fotografia e o património natural quer “levar as pessoas a reflectir sobre a natureza”, conta Fernando Ruas, coordenador da organização do Naturcôa, à FUGAS. 

De 1 a 3 de Novembro, o programa inclui duas exposições fotográficas, um ciclo de conferências com seis oradores (2 de Novembro), workshops (3 de Novembro) e, ainda, um passeio fotográfico (3 de Novembro). E tudo sob o mote da sustentabilidade durante todo o evento.

Não haverá plástico de uso único, a água será gratuita para todos os participantes e estarão disponíveis copos e garrafas reutilizáveis. A Resiestrela, empresa que opera no distrito da Guarda na gestão de resíduos, encarregar-se-á de espalhar ecopontos pelo local. E, acima de tudo, o dinheiro angariado na entrada das conferências será aplicado na compra de carvalhos-negral – principal património florestal do Sabugal –, que serão mais tarde plantados em áreas ardidas do concelho. O preço mínimo de dois euros resultará em duas árvores. O preço facultativo vai de quatro a cinco euros, sendo que quatro euros corresponderão a quatro carvalhos-negral e cinco euros a seis.

 “Queríamos que o evento tivesse um preço associado obrigatório, mas, também, um preço facultativo a quem quisesse dar mais”, assim “quanto mais dinheiro for conseguido, mais árvores serão plantadas”, admite Rui Gaiola, fotógrafo amigo de Fernando Ruas, que esteve sempre a par da organização.

Foram convidados para o evento quatro fotógrafos: Luís Quinta, Kitato (Luís Octávio Costa, jornalista do Público), Rui Gaiola com quem a Fugas este à conversa e Ricardo Guerreiro. Uma das exposições contará com imagens captadas por estes autores. A outra albergará imagens de fotógrafos sabugalenses convidados a participar. As fotografias a serem expostas no museu do concelho, três dias antes da inauguração, permanecerão neste até dia 9 de Novembro, seguindo depois para o Centro Cívico de Fóios e mais tarde para a Casa da Música da Bendada.

O coordenador da organização afirma que a “ideia é que ambas as exposições possam passar por outros locais do Sabugal durante um ano”, mas admite que “tudo dependerá do impacto que tenham”. A acompanhar estes convidados nas conferências estará, também, Anabela Paula, bióloga, e Domingos Lopes, engenheiro florestal e arquitecto paisagístico.

O evento propõe ainda um passeio fotográfico, que levará os participantes de autocarro até à Serra das Mesas, para admirar o nascer do sol. Depois, haverá “workshops e caminhadas pelos trilhos da montanha”, informa Fernando Ruas. Posteriormente “está prevista uma caminhada ao longo do rio Côa que fará a ligação entre Trutalcôa e a Zona de lazer Fluvial de Quadrazais”. Em Quadrazais, há tempo para o almoço e depois uma ida até à Ponte de Sequeiros. O passeio fotográfico custa 40 euros por pessoa, com almoço e workshops.

Mais informações e programa no site da Naturcôa.